Home Brasil + Mundo Comarcas enfrentam obstáculos para implantar o ‘juiz das garantias’

Comarcas enfrentam obstáculos para implantar o ‘juiz das garantias’

Falta de estrutura dos pequenos fóruns espalhados pelo País compromete a adoção do novo modelo
by Folhapress

Enfrentando um cenário de falta de pessoal, distância entre as cidades que chegam a centenas de quilômetros e ausência de um aparato estatal de apoio ao Judiciário, magistrados de pequenas comarcas veem obstáculos para a implantação do modelo de juiz das garantias no Brasil. A proposta, sancionada em dezembro pelo presidente Jair Bolsonaro, prevê que a condução dos processos criminais será dividida entre dois magistrados -um será responsável pela fase da investigação, enquanto o outro se encarregará do julgamento. 

Na avaliação dos magistrados, a proposta esbarra em deficiências na estrutura do Poder Judiciário que dificilmente seriam resolvidas no prazo de 30 dias concedido para implantação do novo modelo. 

A nova lei prevê que o juiz das garantias entre em vigor no próximo dia 23. Antes disso, o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) irá divulgar até esta quarta-feira (15) uma proposta de implementação. 

Em estados como a Bahia, por exemplo, o número de comarcas que tem apenas um juiz chega a 63% do total. A Justiça estadual baiana possui 534 magistrados espalhados por 203 comarcas. Destas, 129 possuem apenas um juiz. 

“Não estamos preparados estruturalmente para que seja instituída tal inovação neste momento”, afirma a juíza Elbia Araújo, presidente da Associação dos Magistrados da Bahia. O Tribunal de Justiça da Bahia montou uma comissão para analisar modelos para implantação do juiz das garantias. Serão analisadas propostas como a criação de um sistema de rodízio entre os juízes e a criação de núcleos regionais com juízes que cuidariam exclusivamente da investigação. 

Na comarca de Terra Nova, município de 12 mil habitantes que fica a 75 km de Salvador, o juiz Marcelo Lagrota é o único magistrado da cidade e ainda atende aos processos da cidade vizinha de Teodoro Sampaio. 

Ele afirma que, ao contrário das grandes cidades, onde muitas vezes diferentes varas funcionam em um mesmo prédio, juízes de pequenas comarcas costumam enfrentar viagens desgastantes para chegar às cidades vizinhas. 

Ele afirma que a nova configuração, com divisão de tarefas entre mais de um juiz, pode resultar em morosidade nos processos e críticas da população das pequenas cidades. 

“A presença física do juiz simboliza o Poder Judiciário nas cidades. O fato de ele não poder atuar nos julgamentos pode gerar um distanciamento, uma sensação de perda de importância daquele magistrado perante a comunidade”, afirma. 

No Rio Grande do Norte, onde a Justiça estadual possui 146 comarcas, sendo 39 delas com apenas um juiz, um problema a ser enfrentado é a ausência de aparato estatal em cidades de pequeno porte 

Juiz titular da comarca de Florânia (229 km de Natal), Pedro Paulo Falcão Júnior afirma que a cidade de 9.000 habitantes possui apenas três policiais militares. Não há delegado de polícia nem defensor público para atuar em audiências de custódia. 

“Com a efetivação do juiz de garantias sem a devida estrutura, os processos penais ficarão paralisados”, alerta o magistrado. 

Sugestões

Deixe um comentário

Pin It on Pinterest

Share This