Home Brasil + Mundo DNA identifica militante morto em unidade chefiada por ‘herói’ de Bolsonaro

DNA identifica militante morto em unidade chefiada por ‘herói’ de Bolsonaro

O bancário Aluísio Palhano Pedreira, 45, morreu em 21 de maio de 1971 após ser torturado sob ordens de Carlos Brilhante Ustra
by Folhapress

O GTP (Grupo de Trabalho Perus) divulgou ontem em Brasília que identificou por exame de DNA os restos mortais do bancário Aluísio Palhano Pedreira Ferreira, desaparecido aos 49 anos de idade.

Em 1971, Ferreira foi preso e torturado pela ditadura militar nas dependências do DOI-Codi de São Paulo, unidade militar então comandada pelo coronel Carlos Brilhante Ustra (1932-2015).

O coronel é tratado como “herói brasileiro” tanto pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), quanto pelo seu vice, o general da reserva Antônio Hamilton Mourão (PRTB).

Em 2012, o Ministério Público Federal denunciou Ustra e outro agente da ditadura pelo desaparecimento e morte de Ferreira. No entanto, o coronel foi excluído da ação após a sua morte. A denúncia foi rejeitada pela Justiça Federal com o argumento de que seria uma desconsideração a decisões anteriores do STF (Supremo Tribunal Federal) a respeito da Lei da Anistia.
O MPF recorreu e o caso está sob análise do STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Então funcionário do Banco do Brasil, Ferreira foi um dos principais líderes sindicais do País. Foi presidente do Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro por dois mandatos e liderou, em 1961, uma greve geral por aumento salarial e 13º salário, segundo os registros do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, da Fundação Getulio Vargas.
Tornou-se presidente, em 1963, da Contec (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Crédito) e dirigente do CGT (Comando Geral dos Trabalhadores).

Em 1970, Ferreira integrou a organização clandestina de luta armada contra a ditadura VPR (Vanguarda Popular Revolucionária), do ex-capitão Carlos Lamarca.

Conforme dossiê feito pelo Comitê Brasileiro de Anistia do Rio e uma carta-denúncia do ex-presidente da UNE (União Nacional dos Estudantes) Altino Rodrigues Dantas Júnior, corroborada depois por investigação da Comissão da Verdade de São Paulo, Ferreira foi preso em 9 de maio, em São Paulo, e depois torturado em instalações do Cenimar, o centro de inteligência da Marinha.

Foi transferido para o DOI-Codi (Departamento de Operações de Informações do Centro de Operações de Defesa Interna), órgão do Exército, onde morreu após novas torturas possivelmente em 21 de maio de 1971.

A ossada é a segunda identificada pelo GTP entre as cerca de mil localizadas nos anos 1990 em Perus e que ainda aguardam identificação. É o quinto caso identificado na vala.

Sugestões

Deixe um comentário

Pin It on Pinterest

Share This