PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Messi deixa Copa América com 3º lugar e 2ª expulsão da carreira

Foi nesse clima que, ao bater o Chile por 2 a 1, neste sábado (6), em Itaquera, a Argentina se despediu do torneio

A disputa pelo terceiro lugar da Copa América teve ingredientes de uma final, com o bom início de jogo da Argentina, a expulsão de Messi ainda no primeiro tempo, vaias de todo o estádio para o árbitro e uma segunda etapa de muito nervosismo.

PUBLICIDADE

Foi nesse clima que, ao bater o Chile por 2 a 1, neste sábado (6), em Itaquera, a Argentina se despediu do torneio com a terceira colocação.

O personagem central dessa trama foi Lionel Messi, que precisou de menos de 45 minutos para ser o nome de destaque do jogo. Festejado ainda no aquecimento, ele roubou a cena com dribles e a assistência para o gol de Sergio Agüero aos 11 minutos.

PUBLICIDADE

Mas o camisa 10 acabou expulso aos 36 minutos, após uma confusão com o chileno Gary Medel. Os dois jogadores se desentenderam depois de uma disputa na linha de fundo, com direito a peitadas. O árbitro paraguaio Mario Díaz de Vivar mostrou o cartão vermelho para ambos.

Na saída do gramado, o argentino ouviu os presentes no Itaquerão gritarem em peso seu nome. Já o árbitro virou o vilão do espetáculo.

PUBLICIDADE

Foi a segunda expulsão de Messi, 32, na carreira. A única outra ocorreu em sua estreia pela Argentina, em 2005, num amistoso contra a Hungria. O então camisa 18 era reserva no time do técnico José Pekerman, entrou na segunda etapa e ficou em campo por menos de dois minutos, até ser expulso após agredir o húngaro Vanczak.

Além do gol de Agüero, a Argentina abriu vantagem com o de Paulo Dybala. O atacante da Juventus recebeu livre na área e ampliou aos 21 minutos.

Na etapa final, o Chile se lançou ao ataque, mas a Argentina esteve perto de ampliar o marcador com Agüero. Os chilenos voltaram a entrar no jogo quando Lo Celso fez falta na área em Aránguiz. Após consulta ao árbitro assistente de vídeo (VAR), Vivar foi ao monitor, reviu o lance e marcou penalidade. Vidal, num tiro forte, diminuiu o placar para 2 a 1, mas a reação dos atuais bicampeões do continente parou por aí.

Muito do clima quente que marcou o jogo se deveu aos confrontos decisivos recentes entre as duas seleções. Nas edições de 2015 e 2016 da Copa América, Chile e Argentina fizeram a final. Nas duas ocasiões, o título ficou com os chilenos após disputa de pênaltis.

Nas arquibancadas do Itaquerão, enquanto os chilenos tentavam empurrar a sua seleção, os argentinos passaram a contar com um improvável incentivo dos brasileiros.

Messi esperava conquistar no Brasil seu primeiro título de expressão pela Argentina, após bater na trave na Copa do Mundo de 2014. Com atuações apagadas durante o torneio, ele cresceu nas duas últimas partidas, mas se despede da Copa América com apenas um gol (de pênalti, no empate com o Paraguai) e deixando críticas ao gramado e ao uso do VAR no torneio, sobretudo na eliminação para o Brasil.

A expectativa é que ele ainda tenha a Copa América de 2020 (em casa) e a Copa do Mundo de 2022, quando terá 35 anos, para tentar levantar um troféu pela seleção principal. 

ARGENTINA 
Armani; Foyth, Pezzella, Otamendi e Tagliafico; Paredes, De Paul e Lo Celso (Funes Mori); Messi, Agüero (Matías Suárez) e Dybala (Di María). T.: Lionel Scaloni 

CHILE 
Arias; Medel, Diaz e Jara (Maripán); Isla, Pulgar, Vidal, Aránguiz (Castillo) e Beausejour; Sánchez (Junior Fernandes) e Eduardo Vargas. T.: Reinaldo Rueda 

Estádio: Itaquerão, em São Paulo
Público e renda: 41.573 pagantes (2.696 não-pagantes) e R$ 7.180.385,00
Juiz: Mario Diaz de Vivar (PAR)
Auxiliares: Eduardo Cardozo e Dario Gaona (PAR)
VAR: Diego Haro (PER)
Cartões amarelos: Paredes, Lo Celso, Foyth e Tagliafico (ARG); Beausejour, Vidal e Pulgar (CHI)
Cartões vermelhos: Messi (ARG); Medel (CHI)
Gols: Agüero (ARG), aos 11min, e Dybala (ARG), aos 21min do 1º tempo; Vidal (CHI), aos 13min do 2º tempo 

 

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Pin It on Pinterest

Share This