Home Cidades Polícia vai fiscalizar condutores com ‘bafômetro passivo’ na região

Polícia vai fiscalizar condutores com ‘bafômetro passivo’ na região

Equipamento indica consumo de álcool pelo ar, sem que seja preciso assoprar; fiscalização começa no Carnaval
by Edson Silva

A Polícia Rodoviária vai começar a usar nas rodovias estaduais paulistas, a partir do feriado prolongado do Carnaval, entre os dias 21 e 26 de fevereiro, novos aparelhos para detecção de alcoolemia, chamados de “etilômetros passivos”. Diferente dos bafômetros tradicionais, o novo aparelho – já utilizado em vários Estados, inclusive em algumas regiões de São Paulo – é um pequeno bastão que capta a presença de álcool no ar, por aproximação, sem que seja preciso o condutor assoprar nada.

A ponta é luminosa e emite uma luz vermelha se houver presença de álcool, e verde, se não houver. O bafômetro passivo, contudo, apenas indica o consumo de álcool, mas não mede a quantidade no organismo da pessoa – o que é necessário para a aplicação de multa e outras sanções. Por isso, em caso de positivo no bafômetro passivo, será preciso fazer o teste à moda antiga.

Na região, a fiscalização com o bafômetro passivo a partir do Carnaval foi confirmada nesta semana pelo 4º BPRv (Batalhão de Polícia Rodoviária), responsável pelo patrulhamento nas rodovias estaduais que ligam São Paulo (SP) às regiões Norte, Oeste e Sudoeste do Estado, abrangendo 78 cidades, englobando cinco companhias, de Jundiaí, passando por Campinas, até Limeira e Arujá. Portanto, a fiscalização inclui todas as rodovias que cortam Americana, Nova Odessa, Santa Bárbara d´Oeste, Sumaré, Hortolândia, Paulínia e Campinas, como são os casos da Anhanguera (SP330), Bandeirantes (SP338), Luiz de Queiroz (SP304), Jornalista Francisco Aguirre Proença (SP- 101) e a Professor Zeferino Vaz (SP-332).

Economia e agilidade são as justificativas

O uso do novo sistema, segundo a Polícia Rodoviária, agiliza a fiscalização, já que se não for detectado uso de álcool, o motorista não precisa soprar o bafômetro. “O aparelho facilita bastante o nosso trabalho por questão de agilidade porque o motorista não precisa descer do carro. Na aproximação da cabine do veículo você consegue fazer a detecção da presença de álcool. Ele tem uma sensibilidade bem grande e ganha nessa agilidade”, explica José Hélio Macedo, porta-voz da PRF no estado do Rio de Janeiro, onde o aparelho já vem sendo usado desde 2019.

A Polícia também argumenta que o uso do bafômetro passivo também gera economia ao Estado, já que o etilômetro tradicional requer o uso de um bocal que custa em torno de R$ 2 a unidade. “Em uma fiscalização de alcoolemia você gastava diversos bocais e às vezes sem necessidade porque o condutor não estava embriagado. É uma melhoria até mesmo para quem está sendo fiscalizado, porque se não tiver nada de errado, ela vai embora mais rápido”, completa Macedo.

Segundo a Polícia Rodoviária, um motorista é preso por embriaguez e tem a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) apreendida caso seja flagrado dirigindo e o exame de alcoolemia indique resultado maior que 0,33 miligramas de álcool por litro de sangue. Recusar-se a fazer o exame que poderá confirmar o estado de embriaguez é considerada uma espécie de confissão de culpa e ao fazer isso, o suspeito também é autuado em flagrante.

EDSON SILVA E DA REDAÇÃO

Sugestões

Deixe um comentário




Enter Captcha Here :

Pin It on Pinterest

Share This