Home Cidades Uma alternativa virtual em meio à pandemia

Uma alternativa virtual em meio à pandemia

Até para quem tem resistência, aposta na Internet passa a ser obrigatória
by Rogério Verzignasse

Em tempos de pandemia, faturamento baixo e falta de oportunidades, o ambiente digital se transforma em uma ferramenta essencial para os pequenos empresários.  Mesmo para as pessoas com mais idade, sem afinidade com tablets ou smartphones,  que tinham uma resistência natural à Internet.

De acordo com a especialista em marketing digital Mayra Pugliesi, hoje muitos empresários superam  os velhos hábitos e descobrem, nas redes sociais, um instrumento importante para incrementar as vendas e, em muitos casos, manter na ativa estabelecimentos com décadas de história.

Um caso emblemático é o da Padaria Gottardo, em Jaguaríuna.  A empresa existe há 96 anos. Hoje, ela alcança mensalmente 22 mil pessas no Facebook e possui 11 mil segudores no Instagram.

As redes sociais garantem a comunicação direta com os clientes. O caixa agradece:  os clientes perguntam sobre os produtos postados e fazem encomendas pelas redes.

O apicultor João Kors já passou dos 60. Ele, dono de uma fábrica e de um apiário em Holambra, fez um curso de aplicação de tecnologia digital e aprendeu a desenvolver links de fotos e vídeos.

”O alcance é imenso. Mostramos como é o  cuidado que temos com as abelhas, como funciona a retirada e a centrifugação do mel. Todo mundo adora”, afirma.

A atriz Ieda Gomes, uma senhora de 60 anos de idade, conta que lidar com as redes sociais se tornou uma jornada maravilhosa de descobertas.

Moradora de Indaiatuba, ela se tornou uma digital influencer – entrou de vez na moda – para o público da terceira idade.  ”Sempre achei que poderia aperfeiçoar meu trabalho, mas não tinha a menor ideia de como aproveitar as redes sociais. Agora me sinto até jovem”, diverte-se.

O uso de recursos digitais, nos negócios, precisa ser pensado, focar o  público-alvo, ter conteúdo,  conquistar respeito e credibilidade.

Letícia Salles, que possui na região uma pequena loja de confecções infantis, afirma que tinha pavor e bloqueio com as redes. Hoje, ela faz stories diariamente, vendas pelo WhatsApp e recebe pedidos nas plataformas.

Mariana Castilho, dona de um escritório de contabilidade, explica que os recursos digitais ajudam a tornar compreensíveis os termos complicados do setor, que antes estavam limitados a um público mais específico.

A    estratégia digital, diz, suavizou o diálogo na comunicação da marca.  ”Em cinco meses, a empresa conseguiu um aumento de 700 seguidores no Instagram e ganhou dezenas de novos clientes”, afirma.

”O engajamento digital se tornou uma nova maneira de se pensar a propaganda”, afirma Mayra.

A jornalista americanense Gabbi Martins também faz parte do grupo de pequenos empreendedores que passaram a explorar as redes sociais para implementar os próprios negócios.

Formada em 1999 pela PUC-Campinas, ela passou por emissoras de TV na região e trabalhou por 25 anos como garota-propaganda de grandes empresas, em uma emissora paulistana voltada a ações de marketing.

Com o aprimoramento digital, diz, é possível promover  postagens consistentes e  estratégicas. ”Hoje os empreendedores precisam perder o medo e vergonha : a Internet é uma ferramenta poderosa para alavancar resultados”, diz.

Sugestões

Deixe um comentário

Pin It on Pinterest

Share This