Domingo, 24 Outubro 2021

Enviado pelo Vaticano ouve denunciantes contra padre e bispo

Enviado pelo Vaticano ouve denunciantes contra padre e bispo

Enviado pela Nunciatura Apostólica no Brasil à Diocese de Limeira, o bispo de Lorena (SP), Dom João Inácio Müller, não investiga apenas as acusações d
Enviado pela Nunciatura Apostólica no Brasil à Diocese de Limeira, o bispo de Lorena (SP), Dom João Inácio Müller, não investiga apenas as acusações de apropriação indébita contra o bispo diocesano de Limeira, Dom Vilson Dias de Oliveira.

Dom João Müller está convidando e já começou a ouvir denunciantes do Padre Pedro Leandro Ricardo, afastado em janeiro da Basílica Santo Antônio de Pádua, de Americana.

Duas pessoas confirmaram ontem ao TODODIA a "convocação" feita pelo bispo "visitador", que chegou nesta terça-feira a Limeira para dialogar com Dom Vilson "e entender a situação", como informou a Diocese.

A presença de um visitador, como é popularmente conhecido o bispo que vem em nome da Santa Sé para investigar, é considerado algo grave dentro da igreja.

Uma das testemunhas já foi ouvida ontem, mas a reportagem não teve acesso ao depoimento dela.

Dom João Müller foi designado pelo Núncio Apostólico do Brasil, arcebispo Dom Giovanni d'Aniello, representante do papa Francisco no País.

O procedimento está sob "Segredo Canônico". A Nunciatura foi novamente procurada pelo TODODIA, mas novamente não esclareceu a medida.

INVESTIGAÇÃO
Dom Vilson é investigado pela Polícia Civil por apropriação indébita de recursos da igreja. O padre, afastado de suas funções, também é suspeito de desviar pelo menos R$ 1,2 milhão da igreja, com a suposta conivência do bispo Dom Vilson. Ambos negam, mas se recusam a atender a reportagem.

Contra o padre, especificamente, pesam ainda acusações por supostos crimes de assédio sexual contra menores de idade - que seriam acólitos (coroinhas) da igreja.

Dom Vilson teria sido informado sobre os crimes sexuais, mas não teria tomado qualquer providência.

As denúncias foram enviadas ao Vaticano em uma correspondência que partiu de Santa Bárbara d'Oeste no último dia 2 de janeiro.

Os documentos foram entregues, segundo recibo dos Correios, no endereço destinatário, na Itália, oito dias depois.

Um dossiê de 74 páginas também chegou, de forma anônima, ao gabinete da deputada estadual Leci Brandão (PCdoB), que os encaminhou à Procuradoria-Geral de Justiça do MP (Ministério Público).

A Polícia abriu inquéritos em Americana, Araras e Limeira, mas todos correndo em segredo de Justiça.

PADRE LEANDRO DEIXA A CASA PAROQUIAL
Afastado de suas funções na Basílica Santo Antônio de Pádua desd 27 de janeiro, quando eclodiu no noticiário as denúncias que abalam a Igreja Católica na cidade, o padre Pedro Leandro Ricardo deixou a Casa Paroquial da igreja, na Rua Washington Luís, no Centro de Americana.

Ele passou a viver em um imóvel no Werner Plass, bairro com residências de alto padrão na cidade.

A Diocese de Limeira, responsável pela paróquia, confirmou ontem a saída do padre Leandro e a entrega das chaves ao novo padre da Basílica, Edimilson José da Silva, sem informar a data da mudança.

Familiares do padre Leandro afirmaram que ele deixou o imóvel da igreja na terça-feira (19) e se instalou em uma casa no Werner Plass.

Residência semelhante é citada no "dossiê" de 74 páginas, que chegou à Polícia Civil após ser encaminhado, de forma anônima, à deputada estadual Leci Brandão (PCdoB).

A denúncia informa que a residência no Werner Plaas seria um dos imóveis adquiridos pelo padre afastado.

 
 
 
 
 
 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Domingo, 24 Outubro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://tododia.com.br/