Sexta, 19 Agosto 2022

Oferta de leitos cai 39% em cenário de novas mortes

CidadesCOVID-19

Oferta de leitos cai 39% em cenário de novas mortes

Americana registrou oito óbitos por Covid-19 nos últimos dez dias, apontam boletins da prefeitura  

Hospital Municipal Waldemar Tebaldi (Foto: Arquivo / TODODIA IMAGEM)

Em meio a um novo cenário de mortes por Covid-19 em Americana, a disponibilidade de leitos com respiradores está 39% menor na cidade. É o que mostra levantamento realizado pelo TODODIA com base em informações oficiais divulgadas pela prefeitura comparando os meses de fevereiro e junho. No período de dez dias, foram registradas mais oito mortes por Covid na cidade.

Atualmente, existem 20 leitos com respiradores no município. Em fevereiro, o número era de 33. Ou seja, quase a metade dos leitos deixou de existir frente a outra onda de óbitos pela doença.

O número de casos de Covid-19 voltou a crescer e, com isso, a ocupação nos hospitais aumentou. Boletins têm mostrado hospitais operando com capacidade máxima de leitos com respiradores.

A Secretaria de Saúde confirmou ontem mais uma morte em decorrência da Covid. É a oitava em dez dias. A nova vítima é uma idosa de 86 anos, moradora do Jardim Nossa Senhora do Carmo.

Com esse óbito e outro paciente internado, o município registrou, nos dias 29 e 30 de junho, 246 novos casos da doença. Entre 24 e 27 de junho, Americana registrou cinco mortes e oito casos por hora em apenas três dias - foram 586 casos positivos. Em junho, o TODODIA mostrou que Americana chegou a registrar alta de 200% em casos de Covid entre abril e maio.

Ontem (1°), a taxa geral de ocupação de leitos para Covid-19 no município era de 35% de leitos com respiradores (de 20 no total, sete ocupados).

No Hospital Municipal, a taxa de ocupação era de 25% leitos para leitos com respiradores (de quatro no total, um ocupado).

No Hospital São Lucas, a taxa era de 100% para leitos com respiradores (de dois no total, dois ocupados) e de 100% para leitos sem respiradores (de dois no total, dois ocupados);

No Hospital São Francisco, a taxa era de 20% para leitos com respiradores (de dez no total, dois ocupados).

No Hospital Unimed, a taxa era 50% para leitos com respiradores (de quatro no total, dois ocupados).

Em março deste ano, dois anos após o início da pandemia, Americana não possuía nenhum paciente nos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), tanto no Hospital Municipal quanto na rede privada.

O mesmo se repetiu no mês seguinte, em abril, quando não havia paciente com Covid-19 internado com respiradores na cidade.

O número de casos positivos era de 35.825, em fevereiro. Agora são 41,9 mil casos confirmados. Ao todo, 972 pessoas morreram vítimas da pandemia no município.

A Prefeitura de Americana disse que monitora diariamente o número de casos e disponibiliza leitos Covid de acordo com a necessidade da demanda. "Atualmente, os leitos são suficientes para assistência aos pacientes que precisam. A explicação da redução foi a demanda. O número de casos não tem refletido no número de internações", disse através de nota. 

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://tododia.com.br/