Segunda, 27 Junho 2022

Projeto prevê comércios às margens da represa de Salto Grande

Projeto prevê comércios às margens da represa de Salto Grande

As margens da Represa de Salto Grande, em Americana, poderão abrigar no futuro empreendimentos como pousadas, hoteis, restaurantes, clubes náuticos e

As margens da Represa de Salto Grande, em Americana, poderão abrigar no futuro empreendimentos como pousadas, hoteis, restaurantes, clubes náuticos e esportivos, universidades, centros de pesquisas e condomínios de chácaras, chalés ou apartamentos. É o que prevê emenda ao projeto de lei que cria a Apama (Área de Proteção Ambiental) do Pós-Represa. A informação é do vereador Marco Antonio Alves Jorge, o "Kim" (MDB), presidente da Comissão Especial de Estudos e Acompanhamento Sobre o PDDI (Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado) e PDFU (Plano de Desenvolvimento Físico e Urbanístico), em discussão na Câmara de Americana. 

A ZIT (Zona de Interesse Turístico), que prevê todos esses empreendimentos, será discutida na última Audiência Pública sobre o projeto de lei em tramitação no Legislativo, no dia 10 de dezembro, às 19h, na Câmara. O projeto será votado em sessões ordinárias nos dias 12 e 19 de dezembro, segundo Kim. 

De acordo com o parlamentar, nesta última audiência será feita a consolidação de todas as discussões realizadas nas três últimas reuniões já realizadas. A principal mudança é a criação da ZIT às margens da represa, indo desde o Casarão de Salto Grande até o limite com Paulínia. 

TURISTAS 

"Vai atrair para Americana a indústria do turismo, que é a indústria do futuro, que gera recursos muitos grandes, e empregos", afirmou Kim. A intenção, explicou o parlamentar, é que os turistas da região, da capital paulista e até mesmo do exterior possam usufruir da paisagem da represa. 

Além disso, o projeto do Executivo prevê a recuperação de matas ciliares e proteção dos mananciais de água. A intenção, explicou Kim, é fomentar o turismo ecológico. Ele acredita que até mesmo a pedreira desativada existente na região poderia ser utilizada para a prática de esportes radicais. 

Kim explicou que um território vasto ainda desocupado da região do Pós-Represa se transforme em zona de turismo, para evitar outros tipos de empreendimento na faixa marginal à represa e para agregar valor econômico à região. 

AVENIDA 

O projeto em tramitação na Câmara prevê áreas residenciais, industriais e para regularização fundiária. Também contempla o alargamento da Estrada Ivo Macris e a criação de uma avenida turística, margeando a represa, com mirantes, pista de caminhada e ciclofaixas. 

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://tododia.com.br/