Sábado, 27 Novembro 2021

Brasil ganha primeiras medalhas nas Paralimpíadas com quebra de recorde

Brasil ganha primeiras medalhas nas Paralimpíadas com quebra de recorde

Gabriel Bandeira vence os 100m borboleta na classe S14 com recorde paraolímpico, enquanto Gabriel Araújo termina em segundo lugar nos 100m costas na classe S2  

Gabriel Bandeira ganhou medalha de ouro e quebrou recorde mundial - Ale Cabral/CPB

O Brasil ganhou na manhã desta quarta-feira (25) suas primeira medalhas nas Paraolimpíadas de Tóquio. Por coincidência, com dois nadadores com nome de Gabriel. O primeiro pódio do país no Japão foi com Gabriel Araújo dos Santos.

O atleta mineiro de 19 anos levou a prata nos 100m costas da classe S2 com a marca de 2min02s47. O ouro ficou com o chileno Alberto Abarza (2min00s40) e o bronze com o russo Vladimir Danilenko (2min02s74).

Cerca de meia hora mais tarde, outro Gabriel, o Bandeira, subiu ainda mais alto no pódio. Em sua primeira final no megaevento, ele venceu a final dos 100m borboleta da classe S14 em 54s76, novo recorde paraolímpico.

Ele quebrou o recorde duas vezes no mesmo dia. Nas eliminatórias da prova, o nadador marcou 56s78, conseguindo o melhor tempo geral e batendo o recorde paralímpico da prova, quebrado depois na final.

Também nos 100 m borboleta, mas na classe S13, Douglas Matera avançou para a decisão com o quarto melhor tempo de sua bateria, o sexto geral, ao marcar 58s66.

O multicampeão Daniel Dias também se classificou na noite desta terça (23), ao terminar a primeira bateria da prova dos 200 m livre da classe S5 com o segundo melhor tempo, o terceiro no geral, de 2min45s16. Ele ficou atrás apenas do espanhol Antoni Ponce (2min33s73) e do italiano Francesco Bocciardo (2min35s44).

No feminino, Mariana Ribeiro está na decisão dos 50 m estilo livre classe S9/S10 ao terminar sua eliminatória na terceira posição com o tempo de 28s41. Este foi o quarto melhor tempo geral. Anastasiia Gontar, do Comitê Olímpico Russo, foi a mais rápida, após marcar 27s48, a canadense Aurelie Rivard ficou em segundo com 27s74 e a holandesa Chatalle Zijderveld conseguiu a terceira melhor marca no geral com 28s07.

Carolina Santiago foi outra atleta do Brasil a se garantir na decisão. Isso porque ela terminou as eliminatórias dos 100 m borboleta classe S13 com o segundo melhor tempo na segunda bateria, o quinto melhor tempo no geral, de 1min07s30.

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sábado, 27 Novembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://tododia.com.br/