Quarta, 22 Setembro 2021

Daniel Cargnin conquista o bronze no judô nas Olimpíadas de Tóquio

EsportesJudô

Daniel Cargnin conquista o bronze no judô nas Olimpíadas de Tóquio

Essa é a 23ª medalha conquistada pelo judô brasileiro em Olimpíadas: 4 de ouro, 3 de prata e 16 de bronze 

Daniel não chegou ao tatame como favorito, mas passou a ser visto de outra maneira principalmente após a sua boa atuação na semifinal ( Foto: COB)

Ao ter que decidir entre o judô e o futebol, Daniel Cargnin ouviu a mãe, Ana Rita, e neste domingo (25) deixou o Nippon Budokan, o templo das artes marciais, com o bronze na categoria 66 kg após vencer israelense Baruch Shmailov.

Essa é a 23ª medalha conquistada pelo judô brasileiro em Olimpíadas: 4 de ouro, 3 de prata e 16 de bronze.

É a segunda do Time Brasil nos Jogos de Tóquio. Horas antes, Kelvin Hoefler ficou com a prata na estreia do skate.

Atual número 15 do ranking mundial, Daniel não chegou ao tatame como favorito, mas passou a ser visto de outra maneira principalmente após a sua boa atuação na semifinal, quando bateu o atual líder do ranking, o italiano Manuel Lombardo.

A sete minutos do final da luta, o brasileiro aplicou um wazari em Lombardo. Festejou muito no tatame, assim como parte da equipe de judô nas arquibancadas.

Antes, o gaúcho havia derrotado, na estreia, o egípcio Mohamed Abdelmawgoud com um ippon no golden score, parte da luta na qual quem pontuar primeiro deixa o tatame com a vitória.

Em seu segundo duelo, Daniel levou a melhor sobre Denis Vieru, da Moldávia. Ambos não pontuaram no tempo regulamentar. No golden score, o brasileiro tirou um wazari da cartola.

Em maio deste ano, ele teve que superar o mais temido adversário da atualidade, o coronavírus. O único sintoma foi a perda de olfato, e ele não pôde embarcar para Budapeste, onde participaria do Mundial.

Nascido em Porto Alegre e criado em Canoas, Daniel contou com empurrões da mãe, Ana Rita, para se lançar no judô, aos seis anos.

"Ela sempre gostou muito de esporte. Abriu uma academia pequena do lado da casa dela. Não sei nem o que era, era bem caseiro. Um cara lá dava aula de judô. Eu e um amigo de infância começamos a ir, sem muita base. A minha mãe começou a acompanhar nossos treinos. Depois ela passou a pesquisar por competições de judô na internet", falou Daniel, em entrevista à reportagem.

No começo, aliás, foi Ana Rita quem fazia a agenda de competições do filho. "Eu acordava para ir ao colégio, e ela estava com a folha impressa, o nome, a data e a hora com marca-texto", recorda o gaúcho.

Paralelo ao judô, ele treinava nas escolinhas do Grêmio, em Porto Alegre, como lateral direito. À medida que a agenda feita pela mãe ficava mais cheia, Daniel teve de decidir entre o futebol e o judô.

"Ela perguntou o que eu queria, mas ressaltou que, se escolhesse o judô, seria mais interessante ir para um clube como a Sogipa, um lugar com mais experiência nessa área. Foi quando tomei a decisão", lembra o judoca, que faz parte da equipe da capital gaúcha desde então.

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Quarta, 22 Setembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://tododia.com.br/