Quarta, 22 Setembro 2021

Estudo diz que seria mais barato cancelar Olimpíada do que decretar estado de emergência

EsportesOlimpíadas

Estudo diz que seria mais barato cancelar Olimpíada do que decretar estado de emergência

A conclusão de um dos estudos da empresa de auditoria é que faria mais sentido cancelar os Jogos se isso significasse evitar o novo estado de emergência no país, implantado a partir desta segunda (12)

A decisão de manter os Jogos também é econômica, mas por parte do Comitê Olímpico Internacional, o único que tem o poder de cancelar os Jogos ( Foto: Divulgação/ COI)

Nos últimos anos, um dos principais trabalhos da Nomura Research Institute (NRI) tem sido avaliar o impacto econômico da Olimpíada de Tóquio. E a conclusão de um dos estudos da empresa de auditoria é que faria mais sentido cancelar os Jogos se isso significasse evitar o novo estado de emergência no país, implantado a partir desta segunda (12).

É a terceira vez que o governo do país adota essa medida desde o início da pandemia da Covid-19, em março do ano passado. A princípio, vai durar até 21 de agosto, engloba todo o período da Olimpíada (de 21 de julho a 9 de agosto) e as férias escolares.

A venda de álcool foi proibida em bares e restaurantes, que terão de fechar às 20 horas. A medida é impopular entre os empresários do país.

"O impacto negativo para a economia do estado de emergência é muito superior ao benefício que os Jogos vão trazer [com as restrições implementadas]", estima Takahide Kiuchi, executivo do Nomura Research Institute.

Kiuchi aponta estudo que realizou no mês passado mostrando que um novo estado de emergência reduziria a economia do Japão em cerca de U$S 27 bilhões (R$ 140,4 bilhões na cotação atual). Já o impacto econômico negativo com o cancelamento dos Jogos, segundo ele, seria de US$ 16,3 bilhões (R$ 84,8 bilhões).

De acordo com o executivo, o número pode ser ainda maior no estado de emergência e só será efetivamente calculado após seu término. Os dois anteriores custaram ao país, no total, US$ 115 bilhões (R$ 598 bilhões).

"Um dos grandes impactos econômicos esperados era a presença de público estrangeiro. Seria um benefício muito grande. Isso sumiu em março", completa Kiuchi, referindo-se à proibição de turistas de outros países.

Pelos cálculos do NRI, foi uma medida (tomada para evitar a propagação da pandemia) que fez a organização dos Jogos perder US$ 1,16 bilhão (R$ 6 bilhões). Na semana passada, foi anunciado que os espectadores japoneses também não poderão acompanhar as provas nos locais de disputa em Tóquio (apenas em cidades vizinhas e com restrições). Mas isso faz pouca diferença na economia do evento.

"O público interno gasta muito pouco. Cada visitante estrangeiro gastaria, em média, cerca de US$ 1,4 mil (R$ 7,3 mil)", avalia Kiuchi.

Havia no governo japonês, antes da pandemia, a certeza de que os Jogos causariam um aumento do turismo internacional no Produto Interno Bruto (PIB) do país. Em 2019, último ano antes do Covid-19, US$ 43 bilhões (R$ 223,6 bilhões em valores atualizados) entraram na economia com visitantes de outras nações.

A decisão de manter os Jogos também é econômica, mas por parte do COI (Comitê Olímpico Internacional), o único que tem o poder de cancelar os Jogos. Algo que, a oito dias da primeira competição, não vai mais acontecer.

O comitê precisa satisfazer também os interesses de confederações e federações internacionais que precisam de repasses de verbas, ainda mais durante a pandemia, em que vários eventos foram realizados sem público ou cancelados. De tudo o que o COI arrecada, 90% vão para essas instituições.

A maior preocupação é com os contratos de direitos de transmissão da Olimpíada, especialmente com a NBC, dos Estados Unidos. Em 2014, a emissora comprou a exibição dos Jogos até 2032 por US$ 7,65 bilhões (R$ 40,2 bilhões em valores atuais).

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Quarta, 22 Setembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://tododia.com.br/