Domingo, 26 Junho 2022

Palmeiras desperdiça chances

EsportesPontaria ruim

Palmeiras desperdiça chances

 Segundo plataforma de estatísticas, Verdão tem a equipe com a segunda pior mira do Campeonato Brasileiro

(Foto: Rodrigo Corsi/Ag. Paulistão)

 Entre 17 e 19 minutos do primeiro tempo do empate sem gols contra o Flamengo, Dudu e Raphael Veiga tabelaram juntos em dois lances e cada um mandou sua chance para fora.

As chances desperdiçadas não só impediram o Palmeiras de vencer a primeira no Brasileiro, mas evidenciaram um problema recente da equipe: em 2022, os palmeirenses acertaram o alvo em 127 (34%) de suas 369 finalizações, apontou a Footstats.

Segundo a plataforma de estatísticas, o Verdão é a equipe com a segunda pior pontaria do Brasileiro, e a terceira pior do Paulista.

O problema que se viu na noite de quarta-feira (20) no Maracanã ocorreu também diante do Goiás, no sábado (16), quando o time chegou com muito perigo em lances com Dudu, Rony e Zé Rafael, que desperdiçaram boas oportunidades e mandara para fora.

Além do gol esmeraldino, o qual considerou que deveria ser invalidado, o técnico Abel Ferreira reconheceu o problema da falta de pontaria.

"Não ganhamos em Goiás não por culpa do árbitro. Uma coisa foi o árbitro, a outra foram as oito oportunidades que não conseguimos fazer. E futebol é isso: fazer gols. Deveríamos ter feito mais de um gol", ponderou o português na coletiva de imprensa após o confronto contra o Flamengo.

A situação de Goiânia mostra uma dificuldade do elenco alviverde em toda temporada, sobretudo na Série A: o time cria muito, mas finaliza com a mesma qualidade. No Campeonato Brasileiro, por exemplo, 71,43% dos chutes dos palmeirenses ou 30 de 42 - foram errados.

O problema também se projeta sobre a necessidade de um camisa 9 de peso, objeção frequentemente feita pela torcida palmeirense e, em várias oportunidades, pelo próprio Abel, que da diretoria ganhou Rafael Navarro para a posição.

Após o empate contra o Rubro-Negro, o comandante alviverde comentou sobre o elenco curto que tem à sua disposição, a ausência dos reforços que havia pedido e o peso do calendário do futebol brasileiro.

"Temos um elenco curto por opção minha. Queríamos outras alternativas, o clube não conseguiu encontrar. Temos dois jogadores por posição, mais os moleques da formação que têm ajudado. Com a quantidade de jogos o problema não é jogar oito vezes no mês, mas jogar até novembro [assim]. Não há milagres. Quem estuda a parte física sabe disso: não somos máquinas", afirmou o treinador, que voltou a falar sobre as chances desperdiçadas:

"Nesses jogos há poucas oportunidades de gol. No último tivemos oito, nesse [contra o Flamengo] tivemos quatro".

Exceção
Se o ano palmeirense até o momento é marcado pela falta de pontaria, as exceções ficaram para a Libertadores: e não somente na quantidade de gols (12).

Enquanto a taxa de chutes errados é de 71% na temporada por inteiro, na competição continental ela cai para 50%: 23 errados de 46 tentativas.

Isso quer dizer que, nas goleadas por 4 a 0 contra o Deportivo Táchira e por 8 a 1 ante o Indepediente Petrolero, o Verdão criou como sempre, mas foi ainda mais eficiente ao finalizar a gol.

Se o pé calibrado na Liberta se deve à presença de um centroavante de posição, como Rafael Navarro, que se utilizou do bom posicionamento para anotar seis desses 12 gols, ou à inferioridade dos adversários da Bolívia e Venezuela, a sequência no torneio deverá esclarecer.

Fato é que, para o Palmeiras sair do 15º lugar no Brasileirão e voltar à disputa no topo da tabela, como nas temporadas anteriores, a pontaria alviverde precisa melhorar.

A próxima oportunidade para acertar a meta adversária com maior eficácia será o clássico contra o Corinthians, no sábado (23), às 19h, na Arena Barueri.

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://tododia.com.br/