Quarta, 17 Agosto 2022

71% apoiam restrições ao comércio, diz pesquisa

71% apoiam restrições ao comércio, diz pesquisa

Enquanto o país enfrenta o pior momento da pandemia da Covid-19, cresce o apoio da população a restrições ao funcionamento dos setores de comércio e s

Enquanto o país enfrenta o pior momento da pandemia da Covid-19, cresce o apoio da população a restrições ao funcionamento dos setores de comércio e serviços como forma de conter o avanço do vírus que já matou quase 290 mil brasileiros.

É o que mostra pesquisa Datafolha feita na segunda (15) e terça-feira (16) com 2.023 pessoas. Todas foram abordadas pelo telefone, em razão da pandemia. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

De dezembro, quando o número de contaminações havia começado a subir novamente, até março, momento em que o Brasil se torna o país em que mais se morre pela doença no mundo, cresceu o apoio à diminuição do horário de funcionamento de comércios e serviços em geral. No fim do ano, 61% apoiavam a medida. Hoje, o índice subiu para 71%.

O mesmo ocorreu com o fechamento de igrejas e templos religiosos - que passaram a ser considerados serviços essenciais por decreto assinado pelo governador João Doria (PSDB) no começo do mês.

Em dezembro, se dividiam os que consideravam que esses locais deveriam fechar (49%) e os que diziam que deveriam permanecer abertos (49%). Agora, 59% defendem o fechamento.

Não variou além da margem de erro desde dezembro, mas a maioria da população continua aprovando o fechamento de lojas, bares e restaurantes (59% defendem a medida) e o fechamento de escolas (66%).

O Datafolha mostra também que é majoritária a opinião de que é preciso fechar serviços como salões de beleza e escritórios (62%). Além disso, 75% dos entrevistados defendem o fechamento das academias.

Mesmo espaços abertos, onde evidências científicas mostram que a contaminação é mais difícil, não escapam. A maior parte da população defende o fechamento de parques (78%) e praias (81%).

A paralisação dos jogos de futebol é defendida por 76% da população, segundo o Datafolha.

Num momento em que especialistas defendem em coro a necessidade de uma quarentena rígida e as autoridades federais se negam a tomá-la, a pesquisa mostra que, para 59% da população, hoje é mais importante deixar as pessoas em casa, mesmo que isso prejudique a economia do país.

Do outro lado, 30% defendem que é preciso acabar com as medidas de isolamento para estimular a economia. Já outros 10% disseram que não sabem.

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://tododia.com.br/