Sábado, 25 Junho 2022

"Domingo não tinha nada para comer" senhora conta chorando em entrevista ao vivo e leva repórter às lágrimas

Brasil + MundoFOME

"Domingo não tinha nada para comer" senhora conta chorando em entrevista ao vivo e leva repórter às lágrimas

Dona Janete Evaristo lembrou a perda recente do marido e de uma filha e da batalha para alimentar mais quatro pessoas dentro de casa

Uma moradora da Zona Norte do Rio chorou ao relatar, ao vivo no RJ1 desta terça-feira (21), a dificuldade de alimentar a família. O relato também levou às lágrimas a repórter que a entrevistava.

Janete Evaristo, de 57 anos, era uma das muitas pessoas, nesta manhã, na fila do Prato Feito Carioca do Andaraí. O programa, da Prefeitura do Rio, distribui refeições a quem não tem o que comer — e era essa a situação na casa de Dona Janete, no vizinho Morro dos Macacos.

Ela está desempregada e tem mais netos para alimentar — uma filha morreu há dois anos, e o marido, há seis meses. 

A mulher se emocionou primeiro ao lembrar dos parentes que já se foram. Nesse momento, a repórter Lívia Torres interrompeu a entrevista, mas Janete continuou:

"Domingo a gente não tinha nada para comer. Eu estou desempregada, está muito difícil. Eu estou catando latinha, mas não dá. Eu não tenho ajuda de muita gente, então domingo a gente não tinha mesmo nada. Está muito difícil", disse, voltando a chorar e enxugando o rosto.

A repórter também foi às lágrimas.

O Mapa da Fome aponta que, só no Estado do Rio de Janeiro, mais de 1,2 milhão de pessoas não conseguem colocar comida suficiente na mesa. O dado equivale a 6,8% de toda a população.

A ONG que já acolhia Dona Janete e outros mulheres do Morro dos Macacos se chama "Anjos da Tia Stellinha". O endereço é Avenida Engenheiro Richard, 25 / casa 201, no Grajaú e o site é https://grupoanjosdatiastellinha.org.br/.

Com informações G1.

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://tododia.com.br/