domingo, 21 abril 2024
AGRESSÕES FÍSICAS E PSICOLÓGICAS

Filho mais novo de Lula é acusado de agredir ex-companheira; ele nega

Em boletim, Natália Schincariol diz ter levado uma cotovelada na barriga e sofrido agressões psicológicas durante o relacionamento
Por
Isabela Braz
Foto: Reprodução/Redes Sociais

Luís Cláudio Lula da Silva, filho mais novo do presidente Lula (PT), foi acusado de ter cometido agressões físicas e psicológicas, contra a ex-companheira, a médica Natália Schincariol, com quem vivia uma união estável há dois anos e meio.

Natália registrou boletim de ocorrência eletrônico contra Luís Cláudio no início da tarde desta terça-feira (02), na Delegacia da Mulher, em São Paulo.

No boletim, a médica relatou que desentendimentos frequentes vinham acontecendo entre o casal durante toda a relação, afirmando que em uma das brigas no final de janeiro teria levado uma cotovelada na barriga.

Em um dos episódios de violência, Natália teria dito aos policiais que teria se afastado do trabalho por um mês “devido ao trauma causado pelas agressões”, relatando também um episódio em que precisou ser internada por crise de ansiedade causada pelo companheiro

Além das agressões físicas, Natália relatou aos policiais que Luís ainda a ofendia, com xingamentos de “vagabunda, gorda, feia e doente mental”.

Segundo a médica, a denúncia não teria sido feita anteriormente devido a intimidações de Luís, utilizando de “impunidade” por ser filho do presidente.

Natália afirma que Luís Cláudio dizia: “meu pai vai me proteger e [você] vai sair perdendo, eu vou acabar com sua alma, vou falar para todos que você é uma insana, ninguém irá acreditar em você”.

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) determinou que o empresário Luís Cláudio Lula da Silva, filho do presidente Lula, mantenha distância da ex-mulher e deixe o apartamento em que vivia com ela.

Defesa de Luís

Em nota divulgada nas redes sociais, a defesa de Luís Cláudio define as acusações como “declarações fantasiosas” e que deve processar a médica pelo delito de calúnia, injúria e difamação.

“Tomamos conhecimento das fantasiosas declarações que teriam sido proferidas pela médica, atribuindo ao nosso cliente inverídicas e fantasiosas agressões, cujas mentiras são enquadráveis nos tipos dos delitos de calúnia, injúria e difamação, além de responder por reparação por danos morais, motivos pelos quais serão tomadas as medidas legais pertinentes”, diz.

Defesa de Natália

A médica também utilizou das redes sociais para manifestar a respeito do caso, confira a nota:

“Em relação aos recentes acontecimentos envolvendo Natália Schincariol, gostaríamos de esclarecer alguns pontos importantes. Natália é uma mulher corajosa, que teve a bravura de se posicionar contra qualquer forma de violência doméstica.

Como inúmeras mulheres em todo o Brasil, enfrentou uma série de adversidades que culminaram em agressões das mais variadas, conforme registrado em boletim de ocorrência. Além disso, apesar de a física ser a mais conhecida e disseminada nos veículos de informação, as violências psicológica e moral são tão danosas quanto.

Na qualidade de defensora dos direitos das mulheres, demonstra resiliência e coragem ao se posicionar contra qualquer forma de violência. Sua decisão de não sofrer em silêncio é um testemunho de sua firmeza e determinação em buscar justiça. Natália Schincariol é médica, faz trabalhos voluntários, inclusive com dependentes químicos, e não pretende obter qualquer vantagem financeira com tal exposição, que foi realizada de forma alheia à sua vontade.

Informamos também que medidas protetivas foram deferidas em favor de Natália, visando assegurar sua integridade e segurança física e psicológica.

Confiamos plenamente nas instituições responsáveis pela condução deste processo e colaboraremos integralmente para garantir que a verdade prevaleça e que a justiça seja feita, inclusive com o cumprimento das medidas judicialmente impostas”

Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também