domingo, 21 abril 2024
ATIRARAM CONTRA BEBÊ

Policiais envolvidos em disparo contra bebê de 1 ano são afastados

PMs são investigados no caso ocorrido na madrugada de terça-feira (26) no Itaim Paulista, na Zona Leste de São Paulo, e que foi gravado por câmeras de segurança
Por
Ana Flávia Defavari
Foto: Reprodução / YouTube

Na madrugada desta terça-feira (26) uma bebê de 1 ano foi atingida com um tiro de Airsoft na rua Sete Estrelas, no Itaim Paulista, na Zona Leste da capital paulista e foi gravado por câmeras de segurança. Este tipo de arma de pressão utiliza munição de plástico e são comumente usadas por praticantes de tiro esportivo em estandes adequados.

Os dois policiais militares de São Paulo que estavam na viatura de onde o tiro partiu foram afastados preventivamente pela corporação nesta quarta-feira (27), de acordo com a SSP (Secretaria da Segurança Pública). “Os dois PMs que estavam na viatura envolvida na ocorrência foram identificados e preventivamente afastados enquanto as apurações estão em curso”, informa trecho da nota da pasta da Segurança.

Os policiais afastados prestaram depoimento no 67º DP (Distrito Policial), Jardim Robru, nesta quarta-feira (27), onde é conduzida a investigação do caso como tentativa de homicídio e análise da conduta dos policiais.

Segundo as informações obtidas até o momento da publicação desta reportagem, a arma de pressão que teria sido usada no crime não havia sido apreendida ou entregue às autoridades. A SSP ainda ressaltou que o equipamento seria particular, visto que não faz parte do armamento oficial utilizado pela Policia Militar.

“A SSP ressalta que a Polícia Militar é uma instituição legalista, que não compactua com desvios de conduta e que promove treinamentos constantes para que todos os seus integrantes ajam dentro dos protocolos estabelecidos”, continua o comunicado da Secretaria da Segurança.

Vídeo mostra tentativa de homicídio

Vídeos de câmeras de segurança da região captaram o ocorrido e mostram o momento exato em que um dos agentes que conduzia a viatura coloca o braço para fora da janela e atira em direção de uma moto que subia a rua no sentido contrário.

Na moto estavam o pai e a bebê de um ano, o pai estava sem capacete e sem habilitação, tendo pegado a moto emprestada de um amigo. Mesmo com a infração gravíssima cometida pelo pai, pois por lei é proibido andar de moto sem capacete e transportar irregularmente crianças com menos de 10 anos de idade em motocicletas, as investigações mostram que o agente da PM não deu ordem de parada para o piloto ou sequer registrou a ocorrência e conduziu o motociclista para a delegacia e que simplesmente preferiu sacar a arma de Airsoft e disparar em direção da moto.

A menor foi atingida pela munição de plástico no rosto, mas só foi notado pelo pai que a filha havia sido ferida quando chegou em casa e a viu chorando e sangrando. Ela foi socorrida pelos familiares e levada ao Hospital Tide Setubal em São Miguel Paulista.

A bebê teve de passar por uma cirurgia de emergência com anestesia geral para a retirada do projetil que estava alojado no rosto, a criança levou pontos na bochecha e deve ficar em observação por alguns dias.

Delegado investigará caso como tentativa de homicídio

Gregory Goes, delegado titular do 50º DP onde o caso foi registrado, comenta que em vez da ordem de parada para o pai da menina, o agente decidiu atirar em direção da motocicleta.

“Não houve ordem de parada, não houve abordagem policial, nenhum tipo de registro, nenhum tipo de comunicação, conduta que julgo não ser adequada. O certo seria dar ciência à autoridade de plantão para que fosse feito o registro e a consequência jurídica dos fatos adequados.” explica Goes.

Ainda de acordo com o delegado, o PM deve ser responsabilizado criminalmente pela tentativa de assassinato. “Adianto que a conduta se amolda ao tipo penal de tentativa de homicídio, no mínimo a título de dolo eventual [quando se assume o risco de matar]”, falou Gregory. “Entendo que o policial militar que tem um conhecimento técnico prévio deve presumir que um disparo de Airsoft daquela distância, numa moto no sentido contrário, poderia causar um acidente, uma fatalidade com a criança vindo a óbito em virtude de uma conduta deliberada, consciente e voluntária”.

Para o 50º DP, o fato de ter sido utilizado um equipamento que não pertence à corporação agrava o que foi feito pelo Policial Militar. “Não há justificativa para utilizar um instrumento que nem faz parte do acervo que faz parte da atividade policial: a Airsoft. O que demonstra a torpeza da conduta”, falou o delegado. “Pelas imagens é possível verificar que o policial, que estava na condição de motorista da viatura, efetua um disparo, um instrumento, depois conseguiu se constatar uma arma de Airsoft pelas imagens.”

Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também