PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Obra no sítio era ‘coisa pessoal’ para o presidente Lula, diz Marcelo Odebrecht

Empresário declarou que ficou sabendo da reforma no sítio, que era frequentado pelo líder petista, depois que ela já havia começado

Em interrogatório realizado anteontem na Justiça Federal do Paraná, o empresário Marcelo Odebrecht afirmou que as reformas num sítio em Atibaia, pagas em parte pela empreiteira de sua família, eram uma “coisa pessoal” para o ex-presidente Lula.
Ele declarou que ficou sabendo da reforma no sítio, que era frequentado pelo líder petista, depois que ela já havia começado -e foi contrário ao envolvimento da Odebrecht no pagamento da obra.

PUBLICIDADE

“Eu até reclamei porque, primeiro, eu achava que era uma exposição desnecessária”, afirmou. “Seria a primeira vez que a gente estaria fazendo uma coisa pessoal para o presidente Lula.”

Segundo ele, as reformas foram autorizadas por seu pai, Emílio Odebrecht, após um pedido feito ao então executivo da empreiteira Alexandrino Alencar.

PUBLICIDADE

Ambos são réus na ação que acusa o ex-presidente de corrupção e lavagem de dinheiro em obras num sítio em Atibaia, frequentado por Lula -ele seria, de acordo com o Ministério Público Federal, o “proprietário de fato” do local.

As reformas custaram cerca de R$ 1 milhão, e foram pagas pelas empreiteiras Odebrecht e OAS, com valores oriundos de contratos na Petrobras, segundo a denúncia.

PUBLICIDADE

Marcelo afirmou que havia “um bando de gente trabalhando na obra”, e seria difícil manter o caso em sigilo.
Ele também reclamou com o pai de que o acerto não havia sido incluído na planilha que ele mantinha com o ex-ministro Antonio Palocci -uma espécie de conta corrente de propinas para o PT, pagas pela Odebrecht, por meio de desvios de contratos públicos.

Segundo Marcelo, as demandas de Palocci e do PT, em determinado momento, ficaram muito elevadas.
“Em vários momentos reclamei de valores muito altos. Falei com meu pai e, de alguma maneira, ele ia lá e reclamava com o Lula”, declarou.

Emílio Odebrecht também depôs anteontem, confirmando que o pedido para que a empreiteira bancasse as obras no sítio partiu da ex-primeira-dama, Marisa Letícia.

Em nota, a defesa do ex-presidente disse que a denúncia do sítio é “totalmente descabida e somente foi construída para submetê-lo [Lula] a processos e condenações pré-estabelecidas”.

PUBLICIDADE

Pin It on Pinterest

Share This