quarta-feira, 24 abril 2024

Americana terá unidade para tratamento de câncer

Prefeito Chico Sardelli anuncia convênio com governo estadual para abertura de Unacon em prédio anexo ao HM; futura estrutura vai atender pacientes da cidade e das vizinhas Santa Bárbara e Nova Odessa 

Chico Sardelli cumprimenta o secretário de Saúde, Danilo de Carvalho, ao lado do deputado Macris no anúncio feito nesta manhã (Foto: Marilia Pierre/Prefeitura de Americana)

 Americana terá uma Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon), que vai funcionar numa área do prédio anexo do HM (Hospital Municipal) Dr. Waldemar Tebaldi. A unidade para tratamento de pacientes com câncer também será referência para as cidades vizinhas de Santa Bárbara d’Oeste e Nova Odessa, com a demanda regulada pela Secretaria Estadual da Saúde. Segundo divulgado pela prefeitura, a futura estrutura será viabilizada por meio de convênio com o governo estadual, que vai disponibilizar R$ 5.547.447,00 por ano.

O anúncio foi feito nesta sexta-feira, em entrevista coletiva do prefeito Chico Sardelli (PV). O vice-prefeito, Odir Demarchi, secretários municipais e vereadores acompanharam o anúncio. A destinação da verba foi intermediada pelo deputado federal Vanderlei Macris (PSDB) junto ao governo paulista. O parlamentar também esteve no anúncio desta sexta.
A Unacon terá oito poltronas para quimioterapia e dois leitos para infusão, cirurgias oncológicas nas especialidades de mastologia, ginecologia, urologia, aparelho digestivo além de ambulatório, suporte diagnóstico e toda estrutura necessária para tratamento dos pacientes oncológicos.

A estimativa é de que sejam realizados 5.300 procedimentos e 650 cirurgias, anualmente, cumprindo dessa forma os parâmetros determinados pelo Ministério da Saúde e Secretaria Estadual da Saúde.
De acordo com o secretário de Saúde, Danilo Carvalho de Oliveira, Americana terá o prazo de 90 dias, após a assinatura do convênio, para iniciar as atividades no local. Com isso, a cidade irá gradativamente reduzir a quantidade de pacientes que precisam se deslocar a outras cidades, como Campinas e Barretos, por exemplo, para fazer o tratamento. Ainda não foi estabelecido prazo para assinatura do convênio.
O secretário explicou que inicialmente o atendimento dará prioridade aos pacientes que aguardam na fila, sendo estendido posteriormente aos novos casos.
Pacientes que estão em tratamento nos outros municípios serão avaliados pelo serviço de regulação da DRS-7 (Departamento Regional de Saúde de Campinas), para posterior inserção na nova unidade.
Segundo o secretário, essa transição pode levar alguns meses e depende de avaliação médica, “porque geralmente o tratamento termina onde teve início”, explicou Danilo.
Atualmente Americana transposta mais de 200 pacientes para tratamento do câncer em outras localidades, sendo na maioria para Barretos, Jaú, São Paulo, Campinas e Bragança Paulista.
Chico Sardelli ressaltou a importância de uma unidade desse porte no município, o que irá trazer mais comodidade aos moradores que precisam ser submetidos a tratamento oncológico.
“Um dia importante e histórico para Americana, são conquistas que vão acontecendo na vida e na saúde pública da cidade (…) eu espero que ninguém precise [do tratamento oncológico], mas aqueles que precisarem passam a ter essa comodidade”, destacou.
O deputado federal Vanderlei Macris elencou a unidade como uma importante conquista para Americana, o que irá dar mais dignidade às pessoas que precisam desse tipo de assistência. “Hoje, Americana conquista mais um passo importante, porque é uma conquista que fala de perto a tantas famílias que precisam de um atendimento oncológico mais adequado, de maior dignidade, que tem a presença do poder público claramente na direção de atender a essas demandas, que são muito difíceis para as famílias”, disse.
O secretário de Saúde destacou que a unidade representa um marco na saúde pública local, e que os serviços irão reduzir os desconfortos que, tanto os pacientes quanto os acompanhantes, atualmente têm para o seu tratamento. “Nós vamos pensar na linha de cuidado do paciente oncológico, desde o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação e, infelizmente, mesmo àqueles que forem a óbito, mas que a gente tenha condições de ter o cuidado paliativo para respeitar a dignidade da pessoa humana, seja na vida ou na hora da morte; esta é a nossa missão”, finalizou o secretário.
Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também