PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Denso demite 150 funcionários em Santa Bárbara

Multinacional japonesa já havia suspendido contratos no início da quarentena devido à crise do coronavírus e comunicou as demissões nesta terça-feira

A multinacional japonesa Denso demitiu nesta terça-feira (12) 150 funcionários em sua unidade de Santa Bárbara d’Oeste. A empresa informou que as demissões aconteceram por conta da crise econômica causada pela pandemia do coronavírus.

PUBLICIDADE

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de Santa Bárbara, a empresa havia fechado no fim do mês passado um acordo com os trabalhadores para suspender todos os contratos e reduzir a jornada de trabalho, se amparando na Medida Provisória do governo federal publicada devido à pandemia.

A Denso havia informado à categoria da possibilidade de não conseguir cumprir o acordo.

PUBLICIDADE

A multinacional, fabricante de sistemas e componentes para automóveis, declarou que a crise do coronavírus causou grande redução na demanda de produtos por parte das principais montadoras do País.

O setor automotivo brasileiro registrou em abril o pior desempenho em produção em 63 anos, início da divulgação dos dados. Foram produzidos em abril apenas 1,8 mil unidades, uma queda de 99% em relação ao mesmo período de 2019 e também em relação a março deste ano.

A Denso parou as atividades industriais em março. Os trabalhadores voltaram ao serviço hoje, quando souberam da demissão.

Segundo o sindicato, a Denso garantiu que os demitidos terão direito à rescisão e a uma cesta básica a mais para o mês de junho.

A unidade de Santa Bárbara foi inaugurada em 2012 e conta com cerca de 400 funcionários.

No mês passado, as fábricas da Goodyear, em Americana e Santa Bárbara, e da Honda, em Sumaré, anunciaram a suspensão dos contratos de trabalho dos colaboradores por 60 dias por conta da crise do coronavírus.

Os cerca de 3,5 mil funcionários da Honda em Sumaré estão recebendo 75% do salário, e os cerca de 2 mil da Goodyear na região estão recebendo 90%, pagos pela empresa e pelo governo federal.

Reportagem: Pedro Heiderich

PUBLICIDADE

Pin It on Pinterest

Share This