domingo, 3 março 2024
NUTRIÇÃO E FOLIA

O glúten e a lactose são realmente vilões em nossa alimentação?

A reportagem do TODODIA conversou com o nutricionista Daniel Cady sobre como manter uma alimentação saudável no período do Carnaval
Por
Carla Mendrot

Para entender um pouco melhor sobre o prejuízo e a forma correta de consumir esses alimentos, se eles vão nos ajudar ou se vai causar algum prejuízo para a nossa saúde, a reportagem do TODODIA conversou com o nutricionista Daniel Cady.

Segundo ele, o que é mais comum são justamente a lactose, que é um tipo de açúcar do leite, o carboidrato que tem no leite, já o glúten é uma proteína que tem no trigo. Nestes casos existem uma série de discussões em relação a isso, mas mesmo assim, o nutricionista que trabalhou 12 anos em consultório explicou que chega ao número de 100% dos pacientes que tinham problemas com glúten e/ou com lactose.

“A gente está falando de uma dose, a diferença do veneno para remédio é a dose. Às vezes você come um pão, não tem maiores problemas, ou às vezes, você come um pão a cada, sei lá, dois, três dias. É diferente você comer num dia pão, macarrão, biscoito, bolo, né, é diferente de você comer no dia queijo, leite, creme de leite e uma série de coisas. Então, o que é importante a gente identificar é que muitas pessoas vão ter algum tipo de intolerância”.

De acordo com o especialista são vários os sintomas: pode ter gases, por exemplo, constipação com o trigo, podem ter um empachamento, aquela coisa de uma má digestão, tem gente que pode ter uma retenção de líquido no abdômen, enfim, aquela sensação de que você está com a barriga cheia, de que o alimento está ali, vamos dizer assim, parado e que você não digere bem. Então, tudo isso vale a pena a gente identificar através de, óbvio, preferência ou consulta com o nutricionista, e através de tentativa e erro de introduzir, retirar e ver se você é intolerante ou não e qual seria essa dose.

O nutricionista orienta que, ao se tratar de alimentos, não devemos separá-los em grupos de vilões ou de mocinhos.

“Existem outras coisas que estão no queijo também, que outras proteínas, tem uma proteína chamada beta-casomorfina, que é uma proteína que está sendo muito estudada, que ela também tem que estar relacionada a alguns, vamos dizer assim, distúrbios gastrointestinais, né, alguns sintomas, sobretudo constipação e tal. Então, a gente não deve avaliar isoladamente, nem criar essa mentalidade de bonzinho e vilão, porque depende da quantidade, depende do contexto”, explica Daniel.

“Os estudos no meio científico continuam, sobretudo em relação ao glúten, mas muitas descobertas ainda podem surgir. Mas eu acho que isso vai evoluir daqui pra frente e não se assuste também de repente a gente, a ciência, que é muito importante a gente se basear nela, de repente chega a conclusão de que, ó, muito do que a gente achava que era o glúten, na verdade, são outros, por exemplo, existe uma discussão, são outras coisas, existe uma discussão muito grande no meio científico de que a gente estuda o glúten já há algum tempo, né, realmente vê ali com biópsia, como é que funciona, como é que o corpo, algumas pessoas reagem a isso, mas também tem uma discussão grande no sentido de, junto com essa farinha de trigo, existem também fungos, existem também micotoxinas, existem também outras coisas que estão junto da farinha por conta da forma como ela é armazenada nos filos. Então, será que o problema é realmente 100% glúten? Ou será que a farinha está sendo um veículo para micotoxinas, fungos?”

Muito calor, muito sol, mas também está chegando o tempo de muita folia. Muitos blocos na rua, muito samba na avenida, e a gente precisa se preparar para poder aguentar a folia e curtir o carnaval da melhor forma possível. Pensando nesse carnaval que é a festa mais popular do Brasil, o nosso país é muito conhecido por isso também, o país do carnaval.

TD: Como os foliões precisam se alimentar antes de ir para a avenida, antes de ir para o bloco e poder curtir o carnaval macetando sem ter prejuízo na folia?

Daniel: Esse ano tem algo que é ainda mais desafiador que é o calor. A gente está percebendo aí em todos os lugares do Brasil, muito calor. Então, assim, isso é um pouco preocupante porque a hidratação é uma das coisas que mais interfere na nossa saúde, na nossa performance, não é seguro. Então, o que eu diria, de fato, primeiro, o mais importante de tudo, é você focar na sua hidratação. Então, não é só beber água antes de sair, passar o dia na rua sem beber água, mas é manter essa, busca manter essa hidratação ao longo do dia, sobretudo para quem vai ficar no sol, quem vai de dia para rua, para bloco, quem vai beber, porque o consumo de bebida alcoólica ele acaba gerando no nosso corpo um efeito diurético, o álcool é diurético, ele faz a gente perder líquido. E quando a gente perde líquido, a gente urina, a depender do nível de sudorese, de desidratação, a água só não é o suficiente, porque a água repõe o líquido, a gente precisa de água e de eletrólitos. Então eu acho que esse ano agora vai ser muito bem vindo ter esse controle da hidratação, quem tiver acesso a água de coco, água de coco é o isotônico natural melhor que tem, melhor do que esses industrializados, porque tem potássio, tem sais minerais. Suco também, eu sei que muito se fala contra os sucos, ah, porque suco, mas agora nesse contexto aí o suco vai ser muito legal, óbvio, preferência suco da fruta. Aqui em casa, por exemplo, a gente está tomando muito suco de algumas combinações. Caju com limão é uma combinação bem legal aqui, é época do caju agora. Ontem teve suco de graviola, que também é uma fruta da estação. Aí são frutas nossas, né? Mas pode ser qualquer fruta. É muito importante, é prático, né? Você pode fazer isso em casa, na rua. A outra recomendação que é importantíssima, até por conta da minha visão nutricional, a gente pensa muito na segurança alimentar, no sentido de contaminação. Então, tome cuidado com a procedência do que você come na rua. Então no carnaval, a gente sabe que tem estabelecimentos e estabelecimentos. Então, cuidado para você não comer nada estragado, na dúvida é melhor procurar fazer o máximo de refeições em casa e quando for na rua procurar um lugar que seja mais bacana. Então, não tem segredo, é manter a hidratação, o corpo pede nessa época do ano, no verão, no calor, alimentos leves, alimentos de fácil digestão, sobretudo antes da folia. Então é ideal que você consuma, quando eu falo alimentos leves, seriam alimentos de fácil digestão”.

TD: Quais são esses alimentos?
Frutas, saladas, tanto cozidas como cruas, arroz, a gente evita aquela feijoada cheia de carnes gordas, cheio de linguiça, porque a gordura dificulta a digestão, então moqueca, coisa muito comum de entender, acarajé, fritos, mais um sol de meio dia, talvez não válida, no mínimo uma azia, sabe? Quanto mais quente a hora do dia, mais o corpo pede fruta, água, um arroz, uma carne branca, um peixe, um frango, uma carne branca que é mais rápida a digestão do que a carne vermelha. Óbvio que tem gente que encara qualquer coisa e não sente nada, mas eu estou falando de modo geral.

Então uma coisa mais cozida, uma coisa mais light, vamos dizer assim. E aí evitar, por exemplo, pimenta, uma carajá com pimenta, meio dia é fato de que você vai, não vai dar bom. É evitar também grandes volumes de comida antes de sair e procurar ter essa, estar atento ao que você come, aonde você parar para comer e tal. E é bom parar para comer, beber água, entre quem, para quem vai beber, entre uma dose e outra, uma cerveja e outra, beber uma garrafinha de água e tal, porque vai ser, você vai ter durabilidade, vamos dizer assim, para poder curtir o carnaval inteiro. Ninguém quer curtir o carnaval um dos dias e cair doente ou tá de ressaca e tal.

Foto: Miguel Silva / Rede TODODIA
Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também