segunda-feira, 22 julho 2024

Bailarina Jussara Miller celebra 30 anos de carreira com o solo inédito Verdes e Ouvirdes

Com estreia marcada para sábado (20) e domingo (21), às 20h, a temporada on-line e gratuita, se estende até 05/12 terá como palco principal o canal da artista no YouTube 

Técnica | Jussara dará oficinas de dança contemporânea (Foto: Divulgação)

A premiada bailarina Jussara Miller, referência no Brasil na Técnica Klauss Vianna, celebra os 30 anos de carreira e os 20 anos do Salão do Movimento, seu espaço de dança em Campinas, com um solo inédito: Verdes e Ouvirdes. Com estreia marcada para sábado (20) e domingo (21), às 20h, a temporada on-line e gratuita, que se estende até 5/12 terá como palco principal o canal da artista no YouTube.

“Trata-se da consolidação de um percurso de três décadas, que vem reconhecer a minha trajetória autoral composta de diversos solos premiados e trabalhos artísticos colaborativos com parcerias continuadas, além da celebração dos 20 anos do Salão do Movimento, espaço de pesquisa, ensino e criação, onde trabalho diariamente com ações artísticas e pedagógicas direcionadas a adultos, adolescentes e crianças”, avalia a bailarina.

Com direção de Norberto Presta, diretor e escritor teatral ítalo-argentino, e audiovisual de Christian Laszlo, o solo Verdes e Ouvirdes, de 55 minutos, tem como inspiração o livro Ideias para adiar o fim do mundo, de Ailton Krenak, escritor, ambientalista e pesquisador, além de referência do movimento socioambiental e de defesa dos direitos indígenas no Brasil. “O solo quer ser uma dança para adiar o fim do mundo, uma última história para deter a queda do céu. Ou seja, um corpo contemporâneo que quer se reconciliar com a natureza”, conta Norberto Presta.

Verdes e Ouvirdes busca trazer à cena virtual, de maneira poética e política, a temática do impacto ambiental, além de denunciar o verde roubado diariamente das terras brasileiras. “De acordo com a organização International Global Forest Watch, de 2018 a 2019, o Brasil esteve entre os cinco países no mundo que mais perderam florestas primárias, as nossas matas virgens, resultando num impacto ambiental sem precedentes”, destaca a bailarina.

Para dar cores e movimentos ao solo, Jussara Miller fundamenta-se na Técnica Klauss Vianna de dança contemporânea em diálogo com a fotografia. Por sinal, marca primordial da estética da bailarina. “Trata-se de uma abordagem multimídia que apresenta imagens fotográficas em movimento projetadas na tela e no corpo, revelando a interface entre dança e audiovisual. O solo evidencia a natureza humana indissociável da natureza ambiental, confirmando que a dança pode carregar significados que despertem um olhar sensível e crítico”, afirma Jussara.

Mais do que dançar a sustentabilidade do meio ambiente, Jussara Miller deseja plantar uma semente de criticidade e esperança no espectador virtual, explica. “Esse trabalho busca apresentar a arte como defensora da vida e quer entender como a luta ambiental pode aparecer poeticamente por meio da dança, utilizando-se da inventividade para criar possibilidades de diálogos, de trocas e de ações éticas, estéticas, poéticas e políticas de maneira crítica e criativa”, diz.

ProAC
Contemplado pelo edital Produção e temporada de espetáculos inéditos de dança, do ProAC (Programa de Ação Cultural da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo), com realização do Salão do Movimento, o projeto tem a produção da Arte & Efeito, com o apoio da companhia Seres de Luz Teatro e do Portal MUD.

Atividades da programação
Além das 8 apresentações artísticas do solo, que contam com acessibilidade de audiodescrição, a temporada será composta de 7 oficinas de dança contemporânea, 4 bate-papos com a bailarina e a Equipe envolvida na concepção do espetáculo, live com convidados e palestra (acessibilidade de intérprete de Libras).

Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também