sexta-feira, 12 abril 2024

Digitalização vai democratizar acervo

Etapa de modelagem 3D do edifício-monumento permitirá visitas virtuais, criação de jogos e mais segurança

Museu Ipiranga digitalizado (Foto: Divulgação)

O Museu do Ipiranga está mapeando seu acervo com o objetivo de construir um modelo tridimensional completo. A modelagem 3D inclui o próprio edifício-monumento do museu e as demais dependências do Parque da Independência, no bairro do Ipiranga, em São Paulo. O projeto avança para a segunda etapa, num processo que começou em 2019 com a fase de captação das imagens internas e externas usando scanners a laser e drones. Durante quase um ano, foi realizado o escaneamento da arquitetura, o levantamento das esculturas e o registro de objetos selecionados.

De acordo com a Autodesk, empresa de desenvolvimento de softwares que realiza o mapeamento, a iniciativa permitirá uma série de desdobramentos. Entre eles, a criação de ambientes virtuais, que poderão ser usados para a criação de jogos educativos e visitas à distância, além da integração de sistemas de segurança e de conservação do patrimônio. O registro digital pode, ainda, apoiar a realização de pesquisas ao disponibilizar um banco de dados em 3D.

“O futuro do Museu do Ipiranga é digital porque ele é uma referência nacional e queremos que pessoas de todo o Brasil conheçam as nossas coleções e o conhecimento que geramos a partir delas. Nós estamos trabalhando em uma plataforma para oferecer exposições virtuais, um catálogo on-line, jogos e outras formas de interatividade. Tudo isso a partir de 2022”, destacou a professora e curadora do Museu do Ipiranga, Solange Ferraz de Lima, durante a 19ª Semana Nacional de Museus, que ocorreu entre os dias 17 e 23 de maio. O evento propôs uma reflexão sobre o tema “O Futuro dos Museus: Recuperar e Imaginar”, a partir dos desafios enfrentados hoje, como segurança, democratização da informação, inclusão social e novas tecnologias.

PRESERVAÇÃO
Um time multidisciplinar atua no projeto de digitalização do Museu do Ipiranga com utilização dos programas Civil 3D e Infraworks. O trabalho de preservação digital tem o suporte da metodologia BIM (Modelagem de Informação da Construção, na sigla em inglês), que permite a criação de modelos virtuais precisos de uma construção. Ele vai além da simples representação em 3D de uma edificação, facilitando a integração entre os diversos profissionais envolvidos e o aumento da produtividade.

“Nosso trabalho significa mais do que a digitalização do acervo e a representação em 3D do museu”, diz Fernanda Machado, arquiteta e especialista técnica da Autodesk responsável pelo projeto. “Trata-se de um mapeamento completo em 3D do edifício e de seus monumentos, com inúmeros dados associados, o que terá inúmeras utilidades. Com um projeto moderno e integrado, conseguiremos abrir um mar de possibilidades para quando o museu estiver reformado, como a criação de visitas guiadas com interação e o desenvolvimento de um acervo acessível por libras, só para citar alguns exemplos. A atual fase de modelagem será fundamental nesse sentido”, completa.

Gigante da tecnologia, a Autodesk colaborou na produção do registro em 3D de patrimônios do National Discovery Museums Institute, na Tailândia, e de parte da coleção do Smithsonian Institute, nos Estados Unidos. Na Itália, a Autodesk conduziu o processo de digitalização em 3D de sítios históricos e arqueológicos da antiga cidade de Volterra.

Esse processo também está sendo realizado no edifício da Catedral de Notre-Dame, na capital francesa, que foi parcialmente destruído por um grave incêndio em 2019. O modelo é baseado em escaneamentos internos da construção realizados antes e depois do incêndio.

Aqui no Brasil, um projeto semelhante ao desenvolvido no Museu do Ipiranga foi feito no Museu Imperial de Petrópolis, no Rio de Janeiro. O trabalho de produção de um modelo e de plantas digitais tridimensionais foi doado à prefeitura da cidade.

NOVO MUSEU
Fechado para visitação desde 2013, o Museu Paulista da USP está passando por obras de restauro, ampliação e modernização. A previsão de reabertura é em 2022, quando se celebra o bicentenário da Independência do Brasil.

Cerca de 50% das obras de reforma e ampliação do Museu do Ipiranga estão concluídas. A obra contempla a criação de um espaço novo com 6.800 metros quadrados de área, que deverá abrigar sala de exposições temporárias, salas para atendimento do programa educativo, café, auditório e lojas. Os trabalhos de restauração, modernização e ampliação do museu devem custar cerca de R$ 188 milhões.

Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também