sábado, 20 julho 2024

Documentário retrata a cultura caipira na figura do violeiro e catireiro

A produção conta a trajetória do mestre Francisco Aparecido Borges de Almeida, mais conhecido como Mestre Chiquinho

Artista| Documentário vai mostrar a trajetória de Mestre Chiquinho, desde as suas origens até a chegada e atuação na cidade de Hortolândia (Foto: Divulgação)

“Ao Mestre Chiquinho com carinho”. O título já revela o que a produção realizada pela Prefeitura de Hortolândia significa. O documentário que conta a trajetória do mestre violeiro e catireiro Francisco Aparecido Borges de Almeida, mais conhecido como Mestre Chiquinho, ao mesmo tempo conta um pouco a história do migrante, personagem marcante na cidade, mas também eternizar manifestações da cultura caipira, paulista e brasileira.

Desenvolvido por servidores da Secretaria Municipal de Cultura, o projeto foi selecionado na Edição 2021 do Projeto Tradição SP On line, da Secretaria de Estado da Cultura e agora integra o programa “Juntos Pela Cultura”, realizado em parceria pela associação Amigos da Arte e o governo do Estado. A gravação de parte da obra foi feita no Centro de Memória de Hortolândia, a antiga Estação Jacuba, na Vila São Francisco. A previsão é que o documentário seja lançado em dezembro deste ano nas plataformas digitais da Prefeitura. O material também será disponibilizado para entidades, organizações e escolas do município e enviado para o programa.

O documentário, com duração de cerca de 15 minutos, utiliza técnicas de História Oral para coleta e edição de dados, trazendo autobiografia, convidados e apresentações dos Projetos e Atividades Culturais criados e liderados por Mestre Chiquinho ao longo de 40 anos. A ideia é que a obra mostre a trajetória de Chiquinho, desde suas origens até a chegada e atuação na cidade.

Migrante
Nascido no distrito de Jacuba, em Arealva, cidade paulista localizada na região de Jaú e Bauru, Mestre Chiquinho mora em Hortolândia desde 1976. Neto e filho de catireiros, é um dos fundadores da Companhia de Santos Reis “Rosa dos Anjos”, que mantém viva a tradição da Folia de Reis na cidade. É também um dos criadores do grupo “Pioneiros do Catira”, que faz apresentações de catira, estilo de dança popular cujo ritmo é conduzido pelas batidas dos pés e das mãos dos dançarinos.

Aos 65 anos de idade e agora aposentado, Mestre Chiquinho é parceiro da Secretaria de Cultura de Hortolândia desde 2006, sendo também idealizador da “Orquestra de Viola de Hortolândia”. Coordena e ministra Oficinas de Viola e Violão, promovidas pela Administração Municipal.

“Esta homenagem é para mim de muito valor. Só tenho que agradecer. São vários os títulos que a gente conquistou para Hortolândia. O portfólio que aparece no documentário mostra essa parceria com a Prefeitura. É maravilhoso receber esta homenagem em vida. Nem sei como agradecer ao grupo do Centro de Memória e da Secretaria de Cultura”, afirma o catireiro. 

Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também