PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Filme ‘Fome’ vai para festival na Espanha

Longa metragem produzido no interior de São Paulo é selecionado para participar do festival europeu CIM Sueca

O filme “Fome”, produzido e rodado no interior paulista, foi selecionado para participar do Festival de Cinema da Espanha CIM Sueca, um dos festivais de filmes de baixo orçamento e do gênero trash mais respeitados do mundo.

PUBLICIDADE

O longa, produzido de forma independente, conta com nomes reconhecidos e premiados na produção audiovisual, como os atores Filastor Brega e o global Pedro Caetano, além do co-diretor Flavio Carnielli, o diretor de fotografia Iberê Pereira, o produtor Alvar Barbosa e o roteirista, diretor e produtor Wendell Stein.

Além do festival espanhol CIM Sueca, que irá exibir “Fome” no dia 28 de setembro, o filme também já participou de outros 2 festivais, o “First-Time Filmmaker Sessions” e o “The Lift-Off Sessions”, porém Wendell destaca que o CIM Sueca é o mais importante, pois é o que premia os filmes do gênero trash. “Cada anúncio [da seleção para um novo festival] é um sonho conquistado, um sonho de fazer cinema em um país perdido na falta de cultura e apoio”, diz ele.

PUBLICIDADE

PRODUÇÃO

O diretor campineiro Wendell Stein conta que buscou inspiração na produção diretamente da tentativa de fazer uma homenagem ao gênero de terror e trash dos anos 70 e 80, principalmente nos Estados Unidos. “Mas sem esquecer nossa boca do lixo com as produções do Zé do Caixão. O filme poderia até ser chamado de “Era Uma Vez em Trashwood”, relata, fazendo referência à mais nova produção de Quentin Tarantino, “Era Uma Vez em Hollywood”.

PUBLICIDADE

“Eu apresento um programa no Youtube chamado Fórmula Nerd. Através dele, conheci atores e diretores de nossa região. Quando tomei a iniciativa de fazer o filme todos toparam gratuitamente. Então, com menos de R$ 10 mil reais conseguimos rodar o filme”, explica Stein.

As gravações do filme aconteceram em Nova Odessa, Sumaré e Paulínia e desafiaram a equipe, pois a produção, que geralmente levaria um ano para se desenvolver, foi realizada em apenas 5 dias. “Não sei como, mas conseguimos”, brinca o diretor.

Mesmo em meio a tantas dificuldades e falta de recursos para se produzir, Wendell se mantém otimista. “O cenário é muito bom. Nunca se produziu tanto, inclusive materiais de alta qualidade. O cinema alternativo é mais comercial do que os filmes comuns, que no Brasil viviam apenas da Lei Rouanet e outras leis de incentivo, em que cumprir exigências era mais importante do que a exibição ou produzir conteúdos interessantes para o público”.

SINOPSE

O filme conta a história de um grupo de estudantes e um casal de bandidos que se perdem em uma estrada deserta. Juntos eles vão parar em um sítio abandonado onde decidem passar a noite. O destino de cada um, então, começa a ser traçado por um estranho personagem, esperando a hora certa para saciar sua fome.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Pin It on Pinterest

Share This