PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

‘Impressão Minha’ é exibido na Unicamp

Documentário será seguido de roda de conversa com os diretores e convidados às 19h30 no IA da universidade

O Auditório do Instituto de Artes da Unicamp promove hoje (3), a partir das 19h30, a exibição do documentário curta-metragem ‘Impressão Minha’ (27 min) dos diretores João Rabello, Gabriela Leite e Daniel Salaroli.

PUBLICIDADE

A atividade é realizada pelo curso de especialização em Design Gráfico Unicamp e o Instituto de Artes da Unicamp.
Os interessados não necessitam de fazer inscrição prévia, porém, mesmo a atividade sendo gratuita, ela está sujeita a limitação da capacidade do auditório.

Após a exibição, será realizado um bate-papo com Gabriela Leite e Daniel Salaroli, os diretores do documentário, juntamente com Fabiana Grassano,designer e professora do Curso de Especialização em Design Gráfico da Unicamp, e Marcela Pacola e Fabiana Pacola Ius, idealizadoras e organizadoras da Feira SUB.

PUBLICIDADE

Para a professora de artes visuais Isabella Whitaker a importância de produzir conteúdos que difundem esse tipo de informação é essencial para transformá-la em conhecimento. “Justamente por ser independente significa que é algo que não requer muitos recursos para se divulgar e quando se faz isso em uma instituição universitária como a Unicamp, essa informação chega mais longe”.

“As pessoas estão condicionadas a ter um modo de ida que elas não produzem mais e isso chega a adoecê-las, pois elas param de refletir sobre suas ações, sua vida, deixando tudo no modo automático”, diz a professora.

PUBLICIDADE

Isabella destaca ainda a importância da produção artística no autoconhecimento. “A partir do momento que se começa a incentivar essa produção, as pessoas começam a obter um entendimento maior sobre elas mesmas e inicia uma relação com o mundo de forma mais saudável e leve”, completa.

DOCUMENTÁRIO

O documentário “Impressão Minha” oferece um registro da cena de livros e publicações independentes que está em crescimento no Brasil. Assumindo o recorte geográfico e temporal da São Paulo de 2017, o filme revela personagens e suas ideias sobre o poder da arte impressa, os bastidores dos processos de criação, a produção e a difusão das publicações por meio das feiras independentes, além das visões e debates em torno da movimentação e abre espaço para reflexões sobre mercado editorial, a oposição entre digital e impresso, o livro como objeto, as técnicas artísticas e de impressão.

O documentário foi realizado pela Peripécia Filmes e Avocado Edições, Ministério da Cultura e Governo Federal, com patrocínio da Fedrigoni Papéis, Icatu Seguros e CSU, contando também com apoio de pessoas físicas, através da Lei Rouanet.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Pin It on Pinterest

Share This