PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Espanha reforça policiamento para final da Libertadores

Após muita confusão e desgaste, argentinos River Plate e Boca Juniors disputam título em 'estádio neutro'

Após cruzar o Atlântico em razão dos problemas antes do jogo decisivo que seria disputado em Buenos Aires, a final da Libertadores de 2018, neste domingo (09), virou tema de segurança pública na Espanha.

PUBLICIDADE

Será a primeira vez que a Libertadores conhecerá o campeão fora do seu continente. A Espanha foi selecionada após sugestão do presidente da Fifa, Gianni Infantino, de que seria melhor realizar o jogo na Europa do que no Qatar, país que fez a proposta mais vantajosa para receber a final.

A primeira partida foi realizada em La Bombonera, no último dia 11, e terminou empatada em 2 a 2. Quem vencer no estádio Santiago Bernabéu será campeão. Nova igualdade levará a decisão para a prorrogação e, se for necessário, disputa de pênaltis.

PUBLICIDADE

O confronto de volta, marcado para 24 de novembro, no estádio Monumental de Nuñez, não aconteceu porque o ônibus que levava a delegação do Boca Juniors foi atacado por torcedores do River Plate próximo ao estádio.

Janelas foram quebradas por garrafas e pedras. O jogador mais ferido foi Pablo Pérez, que sofreu cortes no braço e teve úlcera no olho por causa dos estilhaços de vidro.

PUBLICIDADE

O Boca se recusou a entrar em campo, e a final foi adiada para o dia seguinte. Por pressão dos jogadores, o presidente do clube, Daniel Angelici, também descartou voltar ao Monumental e entrou com pedido dos pontos (e o título) no tribunal disciplinar da Conmebol. A solicitação foi recusada, mas Domínguez considerou que não havia possibilidade de remarcar a final para a Argentina, o que irritou o River Plate e até o presidente do país, Mauricio Macri.

SEGURANÇA

Com uma preparação incomum para os padrões do país, o confronto entre River Plate e Boca Juniors em Madri terá até 4.000 agentes de segurança. É o dobro do número de policiais que costumam trabalhar no maior clássico espanhol, a partida entre Real Madrid e Barcelona.

Entre os procedimentos adotados para evitar confusões está a separação total das duas torcidas.

Foram criadas duas Fan Fests, uma para cada equipe, com uma distância de 1,5 km do estádio e em direções opostas, para que os torcedores de River e Boca não se encontrem antes do jogo.

Não haverá venda de bebidas alcoólicas no local, seguindo legislação do país para eventos esportivos. Haverá um isolamento entre as torcidas nos arredores do Santiago Bernabéu, local da partida, e na área interna do estádio.

Foram colocados à venda 10.000 ingressos para torcedores que moram na Argentina, metade para cada clube, e mais 40 mil entradas pelo site da Conmebol destinadas ao público em geral, também dividas igualmente.

No total, são cerca de 80 mil bilhetes, e a expectativa é de lotação máxima. A Polícia da Espanha espera que cerca de 500 integrantes de torcidas organizadas, conhecidos como barra bravas, estejam presentes no Bernabéu.

“Estamos trabalhando com segurança máxima desde o aeroporto, nas estradas, estações de ônibus e metrô para detectar as pessoas violentas e que têm antecedentes penais. Um torcedor já foi devolvido. É um trabalho minucioso que está sendo feito. Esperamos que seja um dia de festa e que os torcedores venham se divertir”, afirmou o delegado do governo de Madri, Jose Manuel Rodriguez Uribes, à rádio Cadena SER.

DELEGAÇÕES

Um dos pontos mais discutidos entre as autoridades foi a proteção aos ônibus das duas delegações, problema que causou o adiamento da partida que seria disputada no dia 24 de novembro no Monumental de Nuñez, em Buenos Aires. Na ocasião, houve ataque ao ônibus do Boca por torcedores do River.

O trajeto que os veículos das duas equipes farão entre o hotel e o estádio não foi divulgado, mas o plano é deixar o público o mais longe possível da rota.

“Preparamos um dispositivo para que o tráfego seja o mais fluído possível. Vai haver um isolamento das torcidas, uma para cada lado do Paseo de la Castellana (avenida principal em frente ao Santiago Bernabéu)”, disse Noelia Cañizares, porta-voz da Polícia Municipal de Madri, à Folha.

“É um esquema de jogo de final de Champions League ou de um jogo Real Madrid contra Barcelona”, completou.

 

 

PUBLICIDADE

Pin It on Pinterest

Share This