Ponte Preta pode acionar STJD

Diretoria da Macaca responsabiliza Goiás pelo “caso Ernandes” e cogita pedir julgamento sobre a irregularidade

Juntamente com o diretor jurídico Giuliano Guerreiro e o advogado Felipe Artioli, o presidente da Ponte Preta, José Armando Abdalla Junior, anunciou ontem que o clube deverá entrar no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) para pedir um julgamento sobre a irregularidade do jogador Ernanes, do Goiás, que teria adulterado a idade para trabalhar. O atleta jogou em 31 dos 38 jogos da equipe goiana na Série B.

O Código Brasileiro de Justiça Desportiva, em seu artigo 241 prevê, entre outras possibilidades, a perda de pontos para quem utilizou o jogador irregular. Porém, também há chance de punir o jogador e inocentar a agremiação.

“A Ponte entende, categoricamente, que o Goiás tem responsabilidade nessa situação. Seria um salvo conduto para eles. Até acho que realmente não sabiam, mas existe a responsabilidade. Vamos aguardar até quarta-feira (hoje) para ver se a Procuradoria vai oferecer a denúncia. Se eles oferecerem, vamos acompanhar como terceira interessada. Caso não, vamos tomar nosso caminho e oferecer a denúncia por conta própria”, explicou o diretor jurídico da Macaca, Giuliano Guerreiro.

Em entrevista ao programa Redação Sportv, o procurador geral do STJD, Felipe Bevilácqua, disse que não há ilegalidade se a Macaca quiser buscar seus direitos. “Poderia apresentar porque é um clube interessado e a procuradoria poderia dar o seu parecer”, disse, sem deixar de fazer observações. “Como é um caso que os documentos que fogem a esfera esportiva, depende de provas extraordinárias que fogem a procuradoria”, afirmou.

Caso não ocorra denúncia por parte do STJD e a Ponte Preta denunciar, a procuradoria teria que responder em uma semana e o julgamento aconteceria em um prazo de 10 dias.

Guto Ferreira e Mazola Júnior são monitorados

Vice-campeão na Série B de 2014 no banco de reservas da Ponte Preta, o técnico Guto Ferreira entrou na bolsa de apostas para a próxima temporada. Após a desistência do treinador Gilson Kleina em continuar, a diretoria executiva analisa nomes que pudessem tocar o projeto de 2019, que envolve o acesso na segundona nacional e uma boa participação no Campeonato Paulista.

A reportagem do TODODIA apurou que foi feita uma sondagem com o empresário do treinador para saber sobre a possibilidade de retorno. A reportagem tentou contato com Guto Ferreira, mas ele não respondeu até o fechamento desta edição.

Há poucos dias, Guto Ferreira foi procurado pela diretoria do Guarani, mas as negociações não evoluíram. Seus últimos clubes foram Bahia, Internacional e Chapecoense.

Outro nome é o de Mazola Júnior, que saiu no sábado passado do Criciúma. Em contato com a reportagem, Mazola afirmou que não foi procurado, mas que receber uma proposta seria “muito interessante”.

 

Pin It on Pinterest

Share This