Terça, 09 Agosto 2022

Orgulho em ser LGBTQIAP

Marcos BarbosaParada do Orgulho LGBTQIAP

Orgulho em ser LGBTQIAP

Por Marcos Barbosa

No próximo dia 28, comemoramos mais um dia internacional do Orgulho LGBTQIAP . Data importantíssima para mim e a todos que se consideram parte dessa grande comunidade. Apesar de estarmos à margem do preconceito e não aceitação da sociedade, celebrarmos quem somos e nossa existência é indispensável.

Vivemos em tempos obscuros, onde a violência e ataques a homossexuais têm sido normalizada pela sociedade. Muito se dá pela atual conjuntura política do país, onde temos como representante alguém que valida tal atitude, fazendo com que seus apoiadores sintam-se no direito em praticar tais delitos. Previsto em Lei, homofobia é crime.

Uma recente pesquisa divulgada pelo IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2,9 milhões de brasileiros com mais de 18 anos se consideram LGBTQIAP . Em números, isso representa apenas 2% da população total do país.

Fica a pergunta: quantos homossexuais você conhece? Veja bem, estamos falando de gays, lésbicas, bissexuais, travestis, transsexuais e muito mais denominações de gêneros que compõem a sigla. Agora, será mesmo que representamos apenas 2% da população do Brasil?

Um exemplo autoexplicativo. No último fim de semana ocorreu a Parada do Orgulho LGBTQIAP , na Avenida Paulista, em São Paulo. Segundo os organizadores do evento, passaram por lá cerca de 4 milhões de pessoas. Sendo este, o público recorde da história da parada. Estranho o dado da pesquisa, não é? Ser homossexual, não só no Brasil, é sinônimo de resistência e resiliência. Conviver com a homofobia e tantos assédios têm se tornado comum, mas não podem se tornar rotina ou normalizados. Não podemos nos calar e fingir que está tudo bem nos tratarem mal ou desdenharem de nossa existência.

Até quando vão subjugar-nos? À margem da promiscuidade e apontamentos errôneos sobre nós? Somos médicos, arquitetos, jornalistas, e independemente de sua formação, se você tem ou não, somos filhos, irmãos, pais, seres humanos. Merecemos respeito. É o mínimo que podem nos oferecer. Sentimos a pressão de ter que estudarmos mais, de nos prepararmos mais para o mercado de trabalho, estarmos em posições profissionais que a sociedade considera como posições de sucesso, e reforçar que também possuímos relacionamentos saudáveis e duradouros, quase sempre. E para que isso? Para não carregar o estereótipo de fracasso, à margem do poder público e suas iniciativas, e da promiscuidade.

Desde a infância sofremos abusos pela má interpretação familiar sobre quem somos. Em grande parte repressiva e corretiva, ocasionando traumas que só conseguimos tratar após adultos, quando podemos ter acesso a nossa verdadeira identidade. Isso quando dá tempo. Muitos partem pelo caminho.

De acordo com o Observatório de Mortes e Violência contra LGBTI , somente no ano passado, 316 pessoas homossexuais foram mortas no Brasil por causas violentas. E pra quê isso? Por que se importar tanto com algo que não é sobre você? Imcomprensível! Você pode não concordar, mas jamais poderá calar nossa voz.

Como disse, repito: o respeito é indispensável e o mínimo que você pode oferecer a qualquer pessoa. Embora ainda sejamos tratados como minoria, não acredito nesse panorama. É uma caixinha que nos colocam, como forma de controle e manobra. É uma roupa que não nos cabe mais. Não permita que limitem sua existência. Seja você, da maneira que for. Seja feliz!

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://tododia.com.br/