terça-feira, 27 fevereiro 2024
ANÁLISE

Narciso acha feio o que não é uma selfie

Marco Antonio Spinelli, médico com mestrado em psiquiatria pela Universidade São Paulo, psicoterapeuta de orientação junguiana e autor do livro Stress - o coelho de Alice tem sempre muita pressa
Por
Marco Antonio Spinelli
Marco Antonio Spinelli

O fundador da Psicanálise, Sigmund Freud, usou alguns mitos da Mitologia Grega e Bíblica para descrever as dinâmicas que observava na sua prática clínica. Acabou sem querer dando péssima fama a Narciso.

Publicamos um artigo recente, em que usamos essa terminologia, sobre ratinhos que ficavam narcisistas quando tomavam determinada medicação. Para quem não leu, foi só uma brincadeira com essa onda em redes sociais de acusações, geralmente do público feminino, contra homens apaixonados pela própria imagem e que se acham a última bolacha do pacote. Hoje vamos esmiuçar melhor esse assunto, com o trio que compõe esse mito e sua importância, três mil anos depois, para nossa Psique.

O trio em questão é Narciso, Eco e Nêmesis. Eco era uma Ninfa, esses seres mitológicos que também comandam nossa psique coletiva. Quando vemos um jogo de Futebol Americano, com aqueles gigantes se agarrando e dando trombadas, vemos, para desespero das feministas, meninas lindas e de saias curtas fazendo coreografias para animar os marmanjos. Essas são as Ninfas, seres femininos mágicos que nunca envelhecem nem sentem em seu corpo a passagem do tempo. São cobiçadas por deuses e sátiros. E por agências de modelos.

Eco é uma ninfa apaixonada pela própria voz. Zeus, que não era bobo nem nada, manda Eco bater papo com sua esposa, Hera, para poder dar suas escapulidas. Hera, que era menos boba ainda, percebe a jogada e sobra para Eco, que recebe a maldição de não poder mais dirigir a palavra para ninguém, apenas repetir as últimas palavras que ela ouvia. Virou uma ninfa-papagaio, pode-se assim dizer.

Um belo dia, Eco passeava nos bosques quando encontrou Narciso, um jovem belíssimo e desejado por humanas e ninfas. A sua mãe era uma ninfa, casada com o deus dos Lagos. Um oráculo falou que seu filho não poderia ver a sua própria imagem e ela quebrou os espelhos de sua casa. Como era muito belo, Narciso não queria saber de ninguém e esnobava as meninas que corriam atrás dele.

Quando Eco vê o jovem, fica completamente apaixonada e tenta falar com ele. Mas sua voz não saía. Ela tenta chamar a atenção de Narciso e mesmo tocá-lo. Ele dá um safanão e a rejeita. Eco continua tentando chamar sua atenção e sofrendo com a rejeição. Finalmente, ela se retira para uma caverna e fenece, até virar parte daquela escuridão.

As ninfas correm para Nêmesis, a temida deusa da Vingança, para reclamar. Na verdade, isso também dá uma má fama para Nêmesis. Ela é muito mais a deusa da perfeita Justiça e sempre encontra o equilíbrio, como vocês vão ver, do que uma deusa vingativa. Nêmesis dá a Narciso uma profecia: “Ele também vai ter um amor impossível”. Foi depois disso que Narciso vai matar a sede na beira de um lago cristalino e se apaixona por sua própria imagem.

Sem ter mais nenhum interesse na vida, Narciso também fenece e morre. Um Romeu e Julieta, versão grega. O final desse mito que é muito belo: Nêmesis transforma Narciso numa bela flor, e Eco vira a voz que responde às últimas palavras gritadas nas cavernas. A dor se transforma em bem comum. A beleza de Narciso pode ser apreciada numa flor. Eco serve de espelho para a voz das pessoas.

Vivemos no tempo de Eco mais do que de Narciso. Em nossa Sociedade do Espetáculo, todos querem viralizar, receber cliques, ter a atenção de todos o quanto for possível. A criança quer ser Influencer quando crescer. Nosso Monte Olimpo é medido por seguidores, clicadas e likes. Muito se fala do narcisismo de Narciso, mas e o narcisismo de Eco? Eco só existe se for ouvida, se for notada, se for desejada. Tenta abordar o belo Narciso porque o deseja e esquece de perguntar se ele estava afim.

A doença de Eco hoje está manifesta nos stalkers, que decidem que vão possuir seu objeto de desejo a qualquer custo. E não aceitam um não como resposta.

A beleza da intervenção de Nêmesis é transformar dois narcisistas em algo que traz benefício a todos: Eco serve de reflexo para quem chama por ela. Narciso deixa a sua beleza à mostra para o mundo.

Nessa época em que muita gente quer a atenção sobre si, é muito difícil dizer que dar atenção, servir de reflexo para o Outro, pode trazer muito mais alegria do que se oferecer em vitrines virtuais. A verdadeira beleza é a que serve a vida. A verdadeira beleza de servir traz mais alegria que ser um pop star narcísico.

Essa é a perfeita justiça de Nêmesis: tirar as pessoas do seu próprio umbigo e gerar alguma generosidade entre elas.

Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também