PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Engenheiro morre em explosão em Limeira

A vítima, Rafael Henrique De Nadai, teve queimaduras em 70% do corpo e sofreu ferimentos graves, principalmente no rosto

Um engenheiro eletrônico, de 33 anos, morreu no domingo (14) vítima de uma explosão ocorrida em uma área de lazer do condomínio de alto padrão Colina Verde, onde ele morava com os pais, em Limeira.

PUBLICIDADE

A vítima, Rafael Henrique De Nadai, teve queimaduras em 70% do corpo e sofreu ferimentos graves, principalmente no rosto.

 

  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Pinterest
Foto: Arquivo Pessoal

 

PUBLICIDADE

Ele recebeu primeiros socorros por parte de profissionais do SAMU (Serviço de Atendimento Médico de Urgência), foi encaminhado para a Santa de Limeira, mas não resistiu aos ferimentos.

O rapaz foi sepultado na tarde da segunda-feira (15), no Cemitério Municipal de Limeira.

PUBLICIDADE

A informação é que Rafael era um dos diretores do Clube de Tiro da cidade. No local foram apreendidos materiais como pólvora, munições e armas.

A força da explosão derrubou paredes, danificou vidraças, provocou danos em dois carros que estavam próximos e foi ouvida em bairros distantes quilômetros do local do acidente.

A Defesa Civil foi acionada para verificar danos na estrutura do imóvel e, além da Polícia Civil, o Exército investiga o caso, que envolve manipulação de explosivos.

É investigada a informação de que o engenheiro não estaria manipulando explosivos na hora do acidente e sim fazendo uma manutenção com solda.

Abalados com o caso, os pais de Rafael passaram mal e também precisaram de atendimento em um hospital da cidade.

Policiais civis e peritos do IC (Instituto de Criminalística) estiveram no local e também foi acionada uma equipe do Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais), especializada em explosivos.

Foram apreendidos no local, segundo a Polícia, ao menos dez armas, entre espingardas, carabinas e garruchas, além de centenas de munições de variados calibres, alguns de uso restrito. Havia munições calibres 45, 44 e 12.

Ainda segundo a Polícia, desde 2014 o engenheiro respondia processo por posse de arma restrita.

 

 

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Pin It on Pinterest

Share This