PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Força-Tarefa investiga fraudes contra o INSS

Esquema de vínculos empregatícios falsos deu prejuízo de quase R$ 1 mi

Um esquema criminoso que falsificou mais de 180 vínculos trabalhistas, causando prejuízo de quase R$ 1 milhão, está sob investigação em Campinas e Sumaré. Nesta sexta-feira (6), a Força-Tarefa Previdenciária e Trabalhista, formada pela Secretaria Especial da Previdência e Trabalho, Polícia Federal e Ministério Público Federal, cumpriu, nas duas cidades alvos, três mandados de busca e apreensão expedidos pela 1ª Vara Federal de Campinas em buscas de provas contra suspeitos de envolvimento nas fraudes.

PUBLICIDADE

A Operação federal foi batizada de “Inganno”. Segundo a Força-Tarefa, para obter benefícios, como fraudes no seguro- -desemprego, os criminosos utilizavam duas empresas de serviços de escritório, criando vínculos empregatícios falsos que beneficiaram dezenas de pessoas. Desde que as investigações começaram, no ano de 2017, foram identificados mais de 180 vínculos de emprego falsos junto a pelo menos nove empresas usadas pelos fraudadores, de acordo com a Força-Tarefa.

O esquema criminoso chegou ao conhecimento dos investigadores após denúncia pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), posteriormente analisada pela CGINT (Coordenação Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista) da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, do Ministério Público. Na ocasião, o INSS identificou irregularidades na concessão de benefícios trabalhistas e também previdenciários. A estimativa inicial da CGINT é de prejuízo aos cofres públicos da ordem de R$ 906 mil com pagamento indevido de seguro-desemprego e de ao menos R$ 41 mil em benefícios previdenciários fraudulentos.

PUBLICIDADE

Sem revelar grau de participação ou o número de suspeitos formalmente indiciados, a Força-Tarefa informou que os investigados responderão por crimes de estelionato, falsidade ideológica, inserção de dados falsos em sistemas de informação e associação criminosa. Somadas, penas para tais crimes podem chegar a 15 anos de reclusão. A operação dessa sexta- -feira teve participação de oito policiais federais e de um servidor da CGINT.

PUBLICIDADE

Pin It on Pinterest

Share This