terça-feira, 23 abril 2024
CASO CAUÊ POZENATTO

Justiça emite mandado de prisão preventiva de tatuador responsável por matar professor em Sumaré e a soltura de sua companheira

Cauê Pozenatto Lima, de 35 anos, foi encontrado carbonizado dentro de uma vala na Estrada Municipal Alvin Biasi, região da Praia Azul, em Americana
Por
Isabela Braz
Foto: Reprodução | Redes Sociais

O Tribunal de Justiça de São Paulo emitiu no fim da tarde desta quinta-feira (28), um mandado de prisão preventiva do tatuador Wesley Carrera dos Santos, acusado pela morte e ocultação do corpo do professor sumareense Cauê Pozenatto Lima, morto no dia 1 de agosto.

Paloma Fernanda Aguiar, de 30 anos, companheira de Wesley, teve a prisão temporária revogada, tendo determinado pelo Juiz da 1ª Vara Criminal do Foro de Sumaré, Dr. Marcus Cunha Rodrigues, o alvará de soltura. O casal estava em prisão temporária desde o dia 4 de agosto.

No início de setembro, agentes da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) – responsáveis pelas investigações do caso – realizaram a reconstituição do assassinato, com a presença dos suspeitos, levados pela polícia até os locais onde teriam circulado com a vítima.

Segundo relatado, Wesley teria esfaqueado Cauê dentro do próprio carro, onde foi deixado durante a noite e somente no dia seguinte voltado, junto a Paloma, onde depois dirigiram-se até Americana e carbonizaram o corpo do homem.

Para o TODODIA, o Delegado Lúcio Antonio Petrocelli, relatou que pela convicção das investigações, a delegacia representou pela solicitação de prisão preventiva dos dois envolvidos, mas o Juiz decidiu pela soltura.

Já o Ministério Público (MP), por meio da Promotoria de Sumaré, representou pela prisão de Wesley e a soltura de Paloma, que agora responderá por ocultação de cadáver.

Segundo Dr. Marcus, nos autos do mandado, a prisão preventiva do denunciado foi decretada e medidas cautelares em regime aberto não seriam suficientes, inclusive após Wesley ter mudado a versão e negado a culpa. “A ele se imputa a prática de crimes cometidos com nota de acentuada crueldade, revelando a concreta periculosidade do agente homicida e a sua completa inaptidão para o convívio social. A sociedade não pode ficar à mercê de pessoa dotada de personalidade tão fria e tenebrosa”, diz texto do mandado.

Relembre o crime

O corpo de Cauê Pozenatto Lima foi encontrado carbonizado, por moradores da região da Praia Azul, dentro de uma vala na Estrada Municipal Alvin Biasi, em Americana. A identificação do corpo chegou a ser feita apenas no dia posterior em que o corpo foi encontrado, no dia 3 de agosto.

Investigadores da DIG informaram que moradores haviam relatado que um casal foi avistado perto do local do crime, em um Onix na cor branca – encontrado posteriormente, sendo pertencido a vítima.

Uma das moradoras reconheceu Paloma como sendo a pessoa do sexo feminino que teria sido avistada.

Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também