PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Prefeitura ‘escapa’ de obrigação de fornecer medicamento

A Justiça de Americana revogou ontem uma liminar que obrigava a Prefeitura de Americana a fornecer medicamentos para um paciente que realiza tratamento contra o câncer, cujo custo estimado variava de R$ 580 mil até R$ 800 mil durante um período de seis meses. A informação é do secretário de Saúde, Gleberson Miano, que afirma que o município conseguiu viabilizar o atendimento para o paciente pelo Estado, o que teria motivado a revogação.

PUBLICIDADE

O munícipe ingressou com ação contra a prefeitura para o fornecimento do medicamento Ibrutinib, para tratamento de um linfoma. Segundo a prefeitura, tal remédio deveria ser oferecido pela Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. Inicialmente, em decisão liminar, a Justiça de Americana determinou que a prefeitura fornecesse o remédio.
“A gente se mobilizou, entrou em contato com a PUC Campinas, para conseguir incluir o paciente. Conseguimos consulta de um hematologista pelo Estado na data de hoje (ontem). Fomos até a juíza, levamos essa documentação, mostrando que estávamos fornecendo o local correto para o atendimento do paciente, mas que a gente não poderia sustentar um tratamento (de custo) tão alto com medicamentos que não são de nossa responsabilidade”, explicou Miano.

PUBLICIDADE

A decisão foi celebrada pelo secretário, já que a tida “judicialização da Saúde” é considerada um “calcanhar de Aquiles” para a Pasta. No entanto, Miano ressalta que o paciente não está desamparado.
“Importante frisar que a juíza não deixou o paciente desassistido. Revogou apenas a liminar e entendeu que primeiro o paciente precisa passar por consulta na PUC Campinas. Sendo admitido por lá, todo tratamento segue com eles. Nós fornecemos todos os meios necessários para o tratamento dele”, apontou.

PUBLICIDADE

A reportagem tentou contato, por telefone, com a juíza responsável pelo caso no Fórum de Americana, mas foi informado que ela não concede entrevistas.
JUDICIALIZAÇÃO
Conforme publicado pelo TODODIA nesta semana, o presidente do Conselho de Desenvolvimento da RMC (Região Metropolitana de Campinas), o prefeito de Nova Odessa, Benjamim Bill Vieira de Souza (PSDB), encampa uma batalha cujo objetivo é dividir com os governos estadual e federal a conta da judicialização do setor da Saúde, que, segundo ele, está sufocando cada vez mais os municípios. O “fenômeno” se refere à busca do Poder Judiciário como alternativa para a obtenção de medicamentos ou tratamentos negados pelo SUS (Sistema Único de Saúde).
De acordo com ele, a judicialização inviabiliza cada vez mais o atendimento básico na saúde.
Por conta disso, o e presidente do CD-RMC determinou que o assunto fosse discutido entre os representantes regionais, o que gerou uma carta com esses e outros problemas da área para ao Secretário de Estado da Saúde, Marco Antonio Zago.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Pin It on Pinterest

Share This