sábado, 15 junho 2024

Bolsonaro afirma em Recife que Lula vai voltar para a cadeia

“Lula, ladrão, seu lugar é na prisão”, gritavam apoiadores do presidente que ouviam seu discurso na capital pernambucana 

 O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou nesta quinta-feira, 13, que seu adversário na disputa pelo Palácio do Planalto, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), vai “voltar para a cadeia”. Durante discurso em Recife (PE), o chefe do Executivo também disse que defende o livre comércio, enquanto o petista prefere um “Estado opressor”. No segundo turno, a campanha de Bolsonaro aposta no aumento da rejeição de Lula ao vinculá-lo a escândalos de corrupção nos governos do PT.

“Lula, ladrão, seu lugar é na prisão”, gritavam apoiadores do presidente que ouviam seu discurso na capital pernambucana. Bolsonaro, então, concordou. “É verdade. Vocês viram nas urnas como foi o voto do ladrão. Se dependesse do voto apenas dos prisioneiros no Brasil, ele teria ganho disparado no primeiro turno. Ele vai voltar para a cadeia, sim. Lugar de ladrão é na cadeia”, declarou o chefe do Executivo.

Nesta terça-feira, 11, a campanha de Bolsonaro levou ao ar no horário eleitoral gratuito na TV uma propaganda em que afirma que o petista foi o mais votado nos presídios do País. O tema também foi abordado em inserções ao longo daquele dia na programação televisiva. “Os criminosos escolheram Lula para presidente. Lula e os partidos de esquerda que o apoiam defendem a saidinha de traficantes, agressores de mulheres e assassinos dos presídios. É a vida da sua família em risco”, dizia um trecho do programa.

Após levar ao ar peças de marketing que exaltavam a eleição de bolsonaristas para o Congresso e tinham foco em atrair o eleitor do Nordeste, a campanha do presidente também resgatou nesta terça-feira a imagem de antigos aliados do petista, como José Dirceu, Antonio Palocci e José Genoino, que foram presos, para tentar aumentar a rejeição do candidato do PT.

“Teve a sua chance de mostrar para o Brasil e para o mundo como seria administrar um País sem corrupção, optou pelo caminho errado. Não vai ganhar no dia 30 de outubro”, disse Bolsonaro hoje. “Vocês sabem, no próximo dia 30, temos um encontro com as urnas. De um lado, um presidente que é pelo livre mercado. Do outro lado, um presidente que é pelo Estado opressor, forte, corrupto”, emendou.

Ao longo da campanha eleitoral, Bolsonaro subiu o tom contra seu principal adversário diversas vezes. Em 22 de setembro, ainda no primeiro turno, disse em Belém (PA) que Lula “continuará no lixo da história”. Seis dias antes, em Londrina (PR), o presidente havia associado o PT ao “mal”, à “corrupção” e a “tudo que não presta”. Em 9 de setembro, em Araguatins (TO), disse que iria “varrer” o PT para o “lixo da história” se fosse reeleito.

Lula foi condenado em 2018 por corrupção e lavagem de dinheiro, no âmbito da Operação Lava Jato, ficou 580 dias preso após ter a sentença confirmada em segundo instância, mas saiu da cadeia em 2019 depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a prisão só pode ocorrer após o trânsito em julgado, quando não há mais possibilidade de recurso. Em 2021, a Corte anulou a condenação de Lula e concluiu que o ex-juiz e ex-ministro da Justiça Sérgio Moro (União Brasil), agora senador eleito pelo Paraná, agiu com parcialidade na investigação.

Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também