quarta-feira, 24 julho 2024

Câmeras registram passagem de meteoro no Brasil

 Foi uma das passagens mais longas de meteoro no céu do país

Os registros foram feitos nos municípios gaúchos de Vacaria, Caxias do Sul, Bom Princípio e Taquara(Foto: Clima ao vivo)

 Diversas cidades de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul viram, no dia 13, às 19h37 (horário de Brasília), uma das passagens mais longas de meteoro no céu do país. Com uma duração de 12 segundos, o fenômeno foi registrado por duas câmeras do Observatório Heller & Jung e por oito câmeras do Clima ao Vivo, empresa que presta serviços de meteorologia.

Os registros foram feitos nos municípios gaúchos de Vacaria, Caxias do Sul, Bom Princípio e Taquara. Também houve registros em câmeras localizadas em Cerqueira César e Sorocaba, em São Paulo; Florianópolis e Tangará, em Santa Catarina; e em câmeras localizadas em Telêmaco Borba, no Paraná.

As imagens podem ser vistas no site do Clima Vivo.
Segundo o astrônomo e diretor da Rede Brasileira de Observação de Meteoros (Bramon, na sigla em inglês), Marcelo Zurita, asteroides, meteoros e cometas orbitam o Sol em uma velocidade altíssima, entre 40 mil e 266 mil quilômetros por hora.
“Quando atingem a atmosfera da Terra nessa velocidade, mesmo fragmentos tão pequenos quanto um grão de areia são capazes de aquecer instantaneamente os gases atmosféricos, gerando um fenômeno luminoso chamado de meteoro. Então, o meteoro é apenas o fenômeno luminoso, nada mais. Meteoro não é sólido, não é líquido e nem gasoso, é apenas luz. Popularmente, o meteoro é também chamado de estrela cadente”, explica o astrônomo.

Especialistas da Clima ao Vivo, Climatempo e Bramon analisam as principais imagens capturadas por câmeras de monitoramento climático e astronômico.

Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também