terça-feira, 18 junho 2024

Cerca de 26 milhões de paulistas devem encerrar 2022 devendo

Valores até R$ 500 são a principal causa da inadimplência; número de devedores no estado de São Paulo cresceu em torno de 10% em comparação com 2021 

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Terminar o ano no azul é um desejo de muitos. Ter a tranquilidade de ver todas as contas pagas, financiamentos quitados, carnês em dia, boletos zerados; literalmente, não tem preço! Mas, essa não será a realidade de muitos paulistas neste fim de ano.

De acordo com uma pesquisa realizada pela FCDL-SP (Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo), com base no levantamento feito pela CNDL (Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), 26,21 milhões de paulistas irão encerrar 2022 com dívidas.

O número é 9,68% superior em comparação com o mesmo período do ano passado, quando foram registrados 23,67 milhões de inadimplentes no Estado. A pesquisa aponta que 61% das dívidas são com bancos e cada inadimplente deve em média R$3.775,32.

“Esse resultado é reflexo da situação econômica da população. Mesmo com o número de empregos aumentando, a base salarial se manteve baixa; com a alta da inflação e a taxa de juros em elevação, o paulista não conseguiu administrar seus pagamentos, forçando a inadimplência”, comenta Maurício Stainoff, presidente da FCDL-SP.

A faixa etária que concentra o maior número de inadimplentes é de 30 a 39 anos, com 6,4 milhões de devedores, seguida por 40 a 49 anos, com 5,6 milhões de inadimplentes no Estado. A inadimplência é bem distribuída entre os sexos: 50,90% de mulheres e 49,10% de homens.

A pesquisa aponta, em variação anual, que a inclusão de inadimplentes pelo período de 91 dias a 1 ano é a maior, com 25,73% de pessoas; o ranking segue com a inclusão de até 90 dias, com 15,6% dos devedores.

Quando se fala em dívida, muitos imaginam quantias exorbitantes, mas um dado surpreendente: valores até 500 reais são a principal causa da inadimplência em São Paulo, com 33,81% de não pagadores. Valores superiores a 7 mil reais condensam um número menor de inadimplentes, 12,63%.

“O número de inadimplentes com dívidas de até 500 reais ser superior na pesquisa apenas atesta a diminuição do poder de compra e consolidação de renda da população paulista”, finaliza Stainoff. 

Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também