quinta-feira, 25 julho 2024

Empresária do agronegócio vai de ‘nega maluca’ a festa no MT

A prática de se pintar desta forma, chamada de blackface, é considerada racista, por ridicularizar a mulher negra

 Uma das fundadoras do Grupo Scheffer, que atua no agronegócio em Mato Grosso, a empresária Carolina Scheffer, de 62 anos, usou tinta preta para pintar o rosto e se “fantasiar” de “nega maluca”, em uma festa de aniversário que aconteceu na sede do Grupo Bom Futuro, em Cuiabá (MT), no último sábado (20).

A prática de se pintar desta forma, chamada de blackface, é considerada racista, por ridicularizar a mulher negra, apesar de ainda não haver leis específicas sobre isso.

Carolina Scheffer é casada com o empresário do agro Elizeu Zulmar Maggi Scheffer, primo do ex-ministro da Agricultura, Blairo Maggi, e irmão de Eraí Maggi Scheffer, presidente do Grupo Bom Futuro, atualmente um dos maiores do mundo no setor do agronegócio.

O UOL tentou entrar em contato diretamente com Carolina por mensagens em redes sociais, no entanto, não obteve resposta.

A reportagem contatou as assessorias de imprensa dos grupos Scheffer e Bom Futuro, que afirmaram que não vão se posicionar sobre o caso, já que a festa era um evento privado.

A empresária, que é branca, usou luvas e meias pretas, além de uma peruca de cabelo crespo e batom vermelho nos lábios.

Nas fotos do evento, Carolina aparece usando vestido de bolinhas e é elogiada por outras pessoas presentes na festa. Um dos comentários ressalta sua “criatividade”.

‘NEGA MALUCA’ É RIDICULARIZAÇÃO DA MULHER NEGRA
A personagem “nega maluca” surgiu no Carnaval brasileiro e é marcada pela ridicularização da mulher negra. A caracterização é considerada racista, assim como a prática de blackface, quando pessoas brancas usam tinta preta para pintar o rosto, como feito pela empresária.

O advogado militante do movimento negro e vice-presidente da Comissão de Defesa da Igual Racial da OAB-MT (Ordem dos Advogados do Brasil seccional Mato Grosso) Leonardo Prado explica que o blackface nunca foi algo que pode ser considerado uma fantasia, já que que reforça o racismo estrutural.

“É uma prática nitidamente racista, apesar de não haver como falar qual atitude racista é a mais perversa, essa [o blackface] dói em um ponto: você ridiculariza a pessoa, faz ela de chacota e trata aquilo como entretenimento. É ridicularizar uma população que perpassa diversas outras dificuldades. Agora, no meio artístico ou em uma festa, também é usada como chacota ou ‘fantasia’ de alguém. Isso nunca foi fantasia ou comédia, sempre foi racista e ainda é”, afirma ele.

De acordo com Leonardo, o blackface é uma prática antiga, que existe pelo menos desde o século 19. Originalmente, artistas norte-americanos usavam carvão para pintar os rostos de preto para peças, filmes ou novelas. Nessas produções, o negro era representado de forma caricata e estereotipada.

“Não reside apenas no ato de se pintar, ultrapassava o limite disso. O blackface recai na ridicularização das pessoas negras. Não só ali na propositura do personagem, mas também nas características físicas, de rosto, como lábios e narizes grandes, até a própria pele. Isso era utilizado enquanto ‘comédia’ para essas pessoas”, diz o advogado.

RACISMO RECREATIVO
Leonardo explica que o ato de pessoas brancas ridicularizarem pessoas negras com a justificativa de “comédia”, é chamado de racismo recreativo por estudiosos do tema. “É você trazer a pessoa negra enquanto entretenimento para pessoas brancas rirem de seus aspectos físicos e da sua cor”.
O advogado reforça que o grupo tem atuação pedagógica. Para ele, é importante proporcionar conhecimento e informação dentro e fora dos muros da OAB-MT.

“Nós, em 2022, já deveríamos ter enquanto sociedade uma percepção sobre isso, a nossa atuação é de levar cada vez mais esse conhecimento, discussão e formação. Seja no sentido de descriminação no ambiente do trabalho, situações de discriminação racial por meio de violência, discussão sobre blackface ou sobre falta de acesso da mulher negra na sociedade. A comissão atua em perspectiva educativa dentro e fora da OAB”, explica o advogado.

BLACKFACE E LEGISLAÇÃO
Leonardo ressalta que, apesar do Poder Judiciário estar avançando no debate sobre crimes de racismo, a prática de blackface não está disposta na legislação penal brasileira. O advogado explica que não é possível afirmar que o ato de pintar o rosto com tinta preta para representar pessoas negras poderia ser enquadrado como crime e que, tal avaliação, depende da interpretação dos atores judiciais.

“O que temos é a positivação do crime de racismo tanto na Constituição Federal quanto na Lei 7.716/89, que dispõe sobre os crimes de raça ou de cor. Não há como afirmar que essa atitude recairia na configuração de um crime, porque isso demanda muitas interpretações dos atores judiciais”.

“Mas, na Lei 7.716, no artigo 20 há: praticar induzir ou incitar a discriminação, preconceito de raça cor, etnia, religião, procedência nacional, haveria uma pena de reclusão de 1 a 3 anos e multa. Não consigo afirmar que blackface recairia em um crime, mas posso afirmar que, os atores judiciais entendendo que foi uma prática, cairia nessa tipificação. Tendo enquanto vítima a sociedade”, argumenta ele.Para Leonardo, o Poder Judiciário está “abrindo os olhos” para as camadas que envolvem o racismo. Ele destaca que, muitas vezes, as práticas racistas são sutis.”Vemos o Poder Judiciário indo em direção dessas camadas de percepções que envolvem um crime completo de racismo. Saindo dessa percepção que racismo seria só de A contra B, ou de B contra A. O racismo é tão perverso, possui tantas camadas, que às vezes se colocam de forma até meio invisível, a discussão, a ampliação do debate, o conhecimento é necessário todo dia, de forma responsável e agregadora em sociedade”.O advogado cita o caso da deputada federal Bia Kicis (PL-DF), que usou as redes sociais para criticar um processo seletivo da Magazine Luiza reservado para afrodescendentes. Na postagem, publicou uma montagem com os ex-ministros da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro (Podemos) e da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM), com cabelos crespos e os rostos pintados de preto, insinuando que eles fingiriam ser negros para conseguir uma vaga no programa.”Sei que já chegou no Supremo Tribunal Federal (STF), uma discussão sobre a deputada Bia Kicis, que usou uma foto para criticar uma seleção que foi feita pelo Magazine Luiza somente para pessoas negras. Ele utilizou dessa foto para criticar, pintou pessoas com peles negras. Foi levado ao Poder Judiciário, trazendo a discussão do termo blackface. Ou seja, [o assunto] já bateu nas portas do Judiciário”.

Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também