quarta-feira, 19 junho 2024

Hackers atacam sites petistas e pedem voto em Bolsonaro

As ações são reivindicadas por um grupo que se autodenomina BolsonaroCyberMafia 

Um grupo hacker que se identifica como apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL) intensificou ataques cibernéticos a páginas que apoiam a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao Palácio do Planalto. Ao assumirem o controle dos sites invadidos, os hackers pedem votos ao candidato à reeleição.

As ações são reivindicadas por um grupo que se autodenomina BolsonaroCyberMafia. As invasões são registradas em um repositório digital usado por hackers para dar publicidade aos ataques e cultivar prestígio no meio do cibercrime. Não foram encontradas referências de ataques a sites ligados a apoiadores de Bolsonaro. Mas, como mostrou o Estadão, os ataques à campanha do presidente têm ocorrido abertamente nas redes sociais por militantes petistas, sem a atuação de hackers.

A campanha de Lula resgatou vídeos antigos sobre maçonaria e canibalismo para tentar minar o apoio de Bolsonaro entre os evangélicos. A estratégia eleitoral fez com que o ex-presidente petista ampliasse o engajamento em suas páginas. O principal responsável pelo impulsionamento nas redes sociais de ataques ao presidente é o deputado André Janones (Avante-MG). Usando seu perfil pessoal, o parlamentar compartilha fotos e vídeos e provoca os perfis de bolsonaristas.

CIBERATAQUE

Já as investidas contra as páginas por hackers consistem em substituir conteúdos dos sites por mensagens antipetistas e a favor de Bolsonaro. É um ataque conhecido por “defacement”, um tipo de “pichação virtual” feita a partir de falhas de segurança

Um dos ataques mais recentes ocorreu na sexta-feira passada, contra o site do PT que concentra notícias e informações sobre a atuação da bancada na Câmara. A página principal foi substituída por mensagem contrária ao partido e por um pedido de apoio ao atual presidente acompanhado por uma foto de Bolsonaro sobre a bandeira do Brasil.

“O PT diz lutar pelos pobres, mas o PT só se mostrou desigual ao longo dos anos, pessoas na pobreza enquanto os engravatados estão de bolso cheio”, dizia o texto. “No segundo turno vote 22 “

VERMELHO DA FOME

Nos últimos dias, os hackers também alteraram páginas dos deputados Paulo Teixeira (PT-SP), Natália Bonavides (PT-RN) e Benedita da Silva (PT-RJ). À exceção do ataque ao site do petista de São Paulo, realizado em agosto, todos os demais foram registrados nos primeiros dias de outubro.

O site oficial do deputado estadual eleito Eduardo Suplicy (PT-SP) também foi alvo de uma invasão, na quarta-feira da semana passada. “Vermelho é a cor da fome. No segundo turno vote 22”, afirmava o texto dos cibercriminosos.

O BolsonaroCyberMafia não mantém perfis que o identifique nas principais redes sociais e nenhum usuário se apresentou como líder do grupo. Entre os seus alvos, na última semana, também estão a página da deputada estadual do Rio Grande do Sul Any Ortiz, eleita para a Câmara pelo Cidadania, e a do senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), presidente do Congresso.

No último dia 27, o site oficial de Lula sofreu um ataque hacker e passou a exibir uma mensagem pró-Bolsonaro com uma montagem na qual o ex-presidente aparecia preso. A ação foi reivindicada por um outro grupo hacker que já esteve envolvido em ataque cibernético ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

EXPOSTO

O Brasil é um dos países que mais sofrem com ação de hackers, segundo relatórios de empresas de monitoramento cibernético. O quadro se agravou durante a pandemia, com mais atividades corriqueiras sendo realizadas por meios tecnológicos.

No período eleitoral os impactos também chamaram a atenção de especialistas. De acordo com relatório NSFocus Global Threat Hunting System, sites brasileiros sofreram mais de 225 mil ataques hackers nos meses de julho e agosto. No mesmo período de 2021, foram 150 mil.

No dia do primeiro turno das eleições, houve tentativas de ataque a páginas do TSE. Todos foram neutralizados e não houve prejuízos à navegação dos usuários nem à apuração. Os ataques são voltados ao site e não têm qualquer influência sobre o sistema de votação em si. As urnas não são conectadas à internet e é impossível que uma ação como essa afete o resultado da eleição.

Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também