terça-feira, 27 fevereiro 2024
OPERAÇÃO TEMPUS VERITATIS

Jair Bolsonaro e aliados são alvos de operação da PF sobre tentativa de golpe

Aliados como Braga Netto, Augusto Heleno, Anderson Torres e Costa Neto são um dos envolvidos na operação
Por
Isabela Braz
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta quinta-feira (8) uma operação que teve como alvo o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e seus aliados políticos, como ex-ministros e ex-assessores que atuaram durante seu governo.

A organização busca apurar pela “Operação Tempus Veritatis”, organização criminosa que atuou na tentativa de golpe de Estado e abolição do Estado Democrático de Direito em 2022, para obter vantagem de natureza política com a manutenção de Jair Bolsonaro, até então, presidente da República na época.

São alvos dessa operação, em destaque, nomes como:

General Braga Netto, ex-ministro da Defesa e da Casa Civil;
General Paulo Sérgio Nogueira, ex-ministro da Defesa;
Anderson Torres, delegado da PF e ex-ministro da Justiça;
General Augusto Heleno, ex-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI);
General Estevam Cals Theóphilo Gaspar de Oliveira, ex-chefe do Comando de Operações Terrestres do Exército;
Almirante Almir Garnier Santos, ex-comandante-geral da Marinha;
Valdemar Costa Neto, presidente do PL, partido de Bolsonaro;
Tercio Arnoud Thomaz, ex-assessor de Bolsonaro e identificado como chefe do gabinete do ódio;
Ailton Barros, coronel reformado do Exército.

Estão sendo cumpridos, após autorização do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Alexandre de Moraes, 33 mandados de busca e apreensão, quatro mandados de prisão preventiva e 48 medidas cautelares diversas da prisão. Os mandados de prisão são direcionados para três militares e um assessor do político:

Filipe Martins, ex-assessor especial de Bolsonaro;
Marcelo Câmara, coronel da reserva do Exército;
Rafael Martins, major das Forças Especiais do Exército;
Bernardo Romão Corrêa Netto, coronel do Exército (único ainda não preso até a finalização dessa reportagem)

Os envolvidos também estão proibidos de manter contato com os demais investigados e se ausentarem do país, tendo 24h para a entrega dos passaportes. No X (antigo Twitter), o advogado do ex-presidente, Fabio Wajngarten, Bolsonaro entregará o passaporte para as autoridades da PF.

O ex-presidente encontra-se atualmente em Mambucaba, distrito de Angra dos Reis (RJ), junto ao seu assessor Tércio Arnaud – que estava hospedado na casa e teve o celular apreendido. O passaporte do ex-presidente que também deveria ser levado está em Brasília

A operação acontece nos estados do Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Ceará, Espírito Santo, Paraná, Goiás e no Distrito Federal.

Fases da operação

Segundo a PF, nesta fase, as apurações apontam que o grupo investigado se dividiu em núcleos de atuação para disseminar a ocorrência de fraude nas Eleições Presidenciais de 2022, antes mesmo da realização do pleito, de modo a viabilizar e legitimar uma intervenção militar, em dinâmica de milícia digital.

Primeiro eixo: propagação de Fake News acerca de fraudes das urnas eletrônicas, discurso vindo desde 2019 até após o resultado das eleições;

Segundo eixo: prática de atos para subsidiar a abolição do Estado Democrático de Direito, através de um golpe de Estado, com apoio de militares com conhecimentos e táticas de forças especiais no ambiente politicamente sensível;

“Os fatos investigados configuram, em tese, os crimes de organização criminosa, abolição violenta do Estado Democrático de Direito e golpe de Estado”, disse a PF em nota.

Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também