Terça, 26 Outubro 2021

Justiça veta megachurrasco para 2.000 pessoas que receberia Bolsonaro no interior de SP

PolíticaVetado

Justiça veta megachurrasco para 2.000 pessoas que receberia Bolsonaro no interior de SP

 Bolsonaro visitará Presidente Prudente para o credenciamento junto ao SUS (Sistema Único de Saúde) do Hospital Regional do Câncer, que agora passará a ser chamado de Hospital da Esperança

Bolsonaro | A agenda extraoficial previa, além de uma motociata com apoiadores durante a manhã, o almoço agora cancelado com líderes ruralistas ( Foto: Agência Brasil)

A Prefeitura de Presidente Prudente decidiu revogar, em cumprimento de decisão judicial, decretos que permitiam a realização de um megachurrasco com 2.000 pessoas em um recinto de exposições local para recepcionar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no próximo sábado (31).

Bolsonaro visitará a cidade para o credenciamento junto ao SUS (Sistema Único de Saúde) do Hospital Regional do Câncer, que agora passará a ser chamado de Hospital da Esperança. A agenda extraoficial previa, além de uma motociata com apoiadores durante a manhã, o almoço agora cancelado com líderes ruralistas.

Os decretos municipais assinados pelo prefeito Ed Thomas (PSB), que flexibilizavam restrições sanitárias em meio à pandemia e cediam o espaço conhecido por receber a feira agrária da cidade e leilões de gado, foram alvo de ação civil pública do MP-SP (Ministério Público do Estado de São Paulo) na terça (27).

Na decisão liminar favorável à Promotoria, expedida nesta quarta (28), o juiz Darci Lopes Beraldo afirma que uma cerimônia deste tamanho só poderia estar inserida na categoria dos eventos-teste anunciados pelo governo João Doria (PSDB), o que não era o caso do churrasco previsto para recepcionar o presidente.

À reportagem a prefeitura afirmou ter conhecimento, quando feitos os decretos, de que seria realizado um almoço desta magnitude e que não irá recorrer da decisão judicial. Disse ainda que o evento era encabeçado pela UDR (União Democrática Ruralista), de quem a reportagem ainda não obteve retorno após contato por e-mail.

A UDR é uma associação civil que despontou em defesa dos ruralistas em meados dos anos de 1980, quando o Oeste Paulista se tornava epicentro de conflitos fundiários, com a presença do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) na região, e já foi presidida por Luiz Antonio Nabhan Garcia.

Líder ruralista local, ele é hoje secretário de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura do governo federal e aliado próximo do presidente. Desde a corrida presidencial de 2018, Nabhan Garcia é ainda um dos principais fiadores de Bolsonaro entre parte do setor do agronegócio no país.

Na CPMI da Terra, concluída em 2005, Nabhan Garcia foi acusado de estar associado a milícias armadas no campo em defesa de fazendeiros na região de Presidente Prudente. À época, o agora secretário de Bolsonaro responsável pela reforma agrária e demarcação de terras indígenas negou as acusações e não foi indiciado.

Em abril, Nabhan Garcia articulou a ida da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, a Prudente em apoio a uma iniciativa promovida por entidades ruralistas e empresariais para arrecadação e distribuição de cestas básicas. A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, também esteve presente.

Irmão dele, Maurício Nabhan Garcia chefia hoje a Secretaria de Agricultura e Abastecimento em Presidente Prudente, pasta criada pelo atual prefeito prudentino, que, apesar de estar filiado a um partido que faz oposição a Bolsonaro a nível nacional, se mostra alinhado ao presidente.

Desde a eleições municipais de 2020, quando garantiu seu primeiro mandato à frente da prefeitura, Ed Thomas mantém elogios públicos e fotos com Bolsonaro nas redes sociais. A cidade em que se elegeu tem forte apelo bolsonarista -no segundo turno de 2018, 78% dos votos válidos foram para o atual presidente.

A assessoria do prefeito Ed Thomas afirmou que ele participará apenas da agenda oficial do presidente, no caso, a visita ao hospital. A reportagem ainda questionou à Secom (Secretaria de Comunicação Social) da Presidência da República se Bolsonaro participaria do megachurrasco, mas não obteve retorno. 

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Terça, 26 Outubro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://tododia.com.br/