terça-feira, 27 fevereiro 2024

Moraes envia à PGR pedido contra Bolsonaro

Ministro do STF e presidente do TSE encaminha a Aras processo da PF que pede o indiciamento do presidente

AÇÃO | Alexandre de Moraes enviou pedido da PF, que vê crime em fake news sobre vacina (Foto: Divulgação)

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), enviou à PGR (Procuradoria-Geral da República) um pedido em que a PF (Polícia Federal) pede o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro (PL) por incitação ao crime ao associar a vacina contra a Covid-19 ao risco de desenvolver Aids. O órgão ministerial deverá se manifestar pela procedência ou arquivamento da ação.

A medida ocorre depois de a delegada Lorena Lima Nascimento ter afirmado em petição à Corte que o mandatário cometeu crime ao provocar alarme ao anunciar “desastre ou perigo inexistente”. Na peça, a PF pede autorização para tomar presencialmente o depoimento de Bolsonaro no inquérito.

Segundo relatório da PF, Bolsonaro disseminou informações falsas de maneira voluntária e consciente numa live em outubro de 2021, em que leu um texto que afirmava falsamente que pessoas que haviam tomado um imunizante anticovid-19 estariam “mais propensos a desenvolver a doença provocada pelo vírus HIV”. A corporação também cita o ajudante de ordens do presidente, Mauro Cid, que teria produzido o material com as informações falsas usado na transmissão.

A PF também pediu o indiciamento de Bolsonaro por, na mesma transmissão, ter disseminado “a desinformação de que as vítimas da gripe espanhola, na verdade, teriam morrido em decorrência de pneumonia bacteriana, causada pelo uso de máscara, incutindo na mente dos espectadores um verdadeiro desestímulo ao seu uso no combate à covid-19”.

 A delegada afirma ainda que a ação de promover o desestímulo ao uso de máscaras, que era obrigatória à época, também enquadra-se na possibilidade de incitação ao crime, uma vez que ele divulgou as afirmações num período em que o uso do equipamento de segurança era obrigatório.

O inquérito sobre o caso foi aberto por Moraes em dezembro passado, atendendo a um pedido da CPI da Covid do Senado. Na decisão, o ministro fez críticas à estratégia da PGR de abrir apenas uma apuração preliminar interna para avaliar o caso.

“Não há dúvidas de que as condutas noticiadas do presidente da República, no sentido de propagação de notícias fraudulentas acerca da vacinação contra o covid, utilizam-se do modus operandi de esquemas de divulgação em massa nas redes sociais, revelando-se imprescindível a adoção de medidas que elucidem os fatos investigados”, disse o ministro à época.

Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também