segunda-feira, 24 junho 2024

Putin espera convocar todos os reservistas em duas semanas para guerra na Ucrânia

Na sequência da ordem de presidente, dezenas de milhares de homens deixaram a Rússia 

A Rússia prometeu alojamento gratuito aos residentes da região (Foto: Divulgação)

O presidente russo, Vladimir Putin, disse nesta sexta-feira, 14, esperar uma mobilização de reservistas do Exército de tal maneira que almeja atingir o número ideal de combatentes para a guerra na Ucrânia nas próximas duas semanas. Essa convocação, anunciada por Putin em setembro, quando as suas forças perderam terreno para uma contraofensiva ucraniana, suscitou o descontentamento público na Rússia, onde quase todos os homens com menos de 65 anos de idade estão registrados como reservistas. Ao mesmo tempo, os nacionalistas russos criticaram a forma como o Kremlin lidou com a guerra, aumentando a pressão sobre Putin para fazer mais para virar a maré a favor da Rússia

Putin descreveu inicialmente a mobilização como “parcial” e disse que apenas aqueles com experiência de combate ou serviço seriam redigidos. No entanto, relatórios dos meios de comunicação russos descreveram tentativas de reunir homens sem a experiência relevante ou que não eram elegíveis para o serviço por razões médicas. Na sequência da ordem de presidente, dezenas de milhares de homens deixaram a Rússia. Desde então, surgiram relatos de recrutas a serem destacados para a linha da frente na Ucrânia com pouca formação e equipamento inadequado.

Putin também disse nesta sexta-feira que não havia necessidade de ataques mais generalizados contra a Ucrânia, como os que a Rússia lançou na segunda-feira. A explosão da ponte de Kerch se seguiu à recaptura pela Ucrânia de áreas ocupadas no leste e sul do país, em contraofensivas contínuas que restabeleceram a confiança ucraniana e envergonharam os militares russos.

A Rússia prometeu alojamento gratuito aos residentes da região de Kherson, parcialmente ocupada da Ucrânia, que querem partir para a Rússia, um sinal de que os ganhos militares ucranianos ao longo da frente sul da guerra preocupam o Kremlin. Têm surgido relatos de que alguns ucranianos foram deportados à força para “campos de filtragem” em duras condições. Além disso, uma investigação da Associated Press descobriu que funcionários russos deportaram milhares de crianças ucranianas – algumas órfãs, outras vivendo com famílias de acolhimento ou em instituições – para serem criadas como russas.

Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também