sábado, 15 junho 2024

Thiago Brennand: herdeiro acusado de agredir modelo é preso pela Interpol nos Emirados Árabes

Empresário viajou para Dubai em setembro, após vídeo com agressão vir à tona

O empresário Thiago Brennand Tavares da Silva Fernandes Vieira em imagem de arquivo. — Foto: Reprodução/Instagram

A Interpol prendeu o empresário e herdeiro Thiago Brennand, que estava foragido desde setembro. Ele virou réu por agressão após aparecer em um vídeo agredindo a modelo Helena Gomes em uma academia de São Paulo. A prisão ocorreu na quinta-feira nos Emirados Árabes, às 14h (21h, no horário de Brasília), segundo a Polícia Federal e a Polícia Civil de São Paulo.

Brennand havia deixado o Brasil em 3 de setembro, poucos dias após reportagem do Fantástico revelar as agressões. Enquanto ele estava no exterior, se tornou réu por lesão corporal contra a mulher na academia e corrupção de menores – por ter incentivado o filho adolescente a também ofender a vítima.

Em 9 de setembro, a Justiça deu prazo de 10 dias para Brennand retornar ao Brasil, mas ele não voltou. Em 27 de setembro, foi determinada a prisão dele por não ter se apresentado e não ter entregado o passaporte. Segundo sua defesa alegou à época, ele voltaria ao Brasil em 18 de outubro.

A prisão de Brennand se deu na capital dos Emirados Árabes, Abu Dhabi. De acordo com a PF, ele deverá permanecer na cidade aguardando os trâmites relativos ao processo de extradição para o Brasil.

A delegada Ivalda Oliveira Aleixo, da Divisão de Capturas do Departamento de Operação Policiais Estratégicas (Dope) da Polícia Civil de São Paulo, confirmou inicialmente ao g1 sobre a prisão do empresário. Ela informou que a PF cuidará da vinda dele para o Brasil.

Mais denúncias contra empresário

O caso de agressão, com as imagens de dentro da academia, foi revelado em agosto pelo Fantástico. Depois disso, novas denúncias com relatos de estupro, cárcere privado, agressões e ameaças a outras mulheres vieram à tona.

Brennand também enviou e-mails com intimidações para uma promotora e obrigou mulheres a tatuarem as iniciais do nome dele, “TFV”.

O empresário não chegou a ser interrogado, mas a Justiça já havia proibido que ele frequentasse academias e se aproximasse de testemunhas do caso que foi exibido no Fantástico.

O Núcleo de Atendimento à Vítima de Violência (NAVV) do Ministério Público tinha começado a ouvir as 11 novas vítimas que acusam Brennand de crimes. Entre elas, estão nove mulheres que disseram ter sido estupradas por ele. Três falaram que ele as obrigou a tatuarem as iniciais dele em seus corpos.

Via G1

Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também