PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Defesa de Lula usa decisão do Supremo para abrir mão do regime semiaberto

Segundo ele, por conta da liminar, só STF poderia decidir onde Lula deve ficar

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vai usar a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que manteve o petista preso em Curitiba, em agosto, diante de um pedido de transferência para São Paulo, como argumento para abrir mão do regime semiaberto.

PUBLICIDADE

A tese da defesa será de que a juíza Carolina Lebbos, responsável pela execução penal do ex-presidente, não tem competência para mudar o regime de cumprimento da pena após a concessão da liminar do STF naquele caso. Na ocasião, a corte garantiu a permanência de Lula na Superintendência da PF (Polícia Federal) em Curitiba, contrariando decisão de Lebbos de mandá-lo para São Paulo a pedido da própria PF.

Segundo a defesa, até nova apreciação do caso pelo tribunal, não pode haver qualquer nova ordem que afete as condições de cumprimento da pena do ex-presidente. A estratégia dos advogados foi antecipada pela coluna Painel, da Folha de S.Paulo. “Essa liminar permanece em plena vigência, não há possibilidade de haver alguma deliberação pela Justiça de primeira instância”, declarou o advogado Cristiano Zanin depois de visitar o petista na PF.

PUBLICIDADE

Segundo ele, por conta da liminar, só STF poderia decidir onde Lula deve ficar. A manifestação oficial deveria ocorrer ainda ontem, prazo final da defesa para pronunciamento sobre o pedido dos procuradores da Lava Jato, o que não ocorreu até o fechamento desta edição.

SOLICITAÇÃO

PUBLICIDADE

No final do mês passado, o Ministério Público Federal solicitou que o ex-presidente passe a cumprir pena no regime semiaberto. Na petição, Zanin também vai levantar o desejo de Lula de não sair da prisão até que seja julgada a suspeição do ex-juiz Sergio Moro em relação à condução do processo de Lula.

PUBLICIDADE

Pin It on Pinterest

Share This