sábado, 25 maio 2024
60 HORAS DE VIAGEM

Pai viaja de Alagoas para liberação do corpo da filha e tentar o traslado

Ele saiu da cidade de São José da Tapera, na madrugada desta sexta-feira (27) e levará 60 horas em viagem de ônibus até Campinas
Por
Henrique Fernandes
Vídeo: Rede TODODIA

Arnaldo de Jesus Vieira, pai de Maria Carolina Almeida Vieira, de 26 anos, morta pelo ex-namorado em Santa Bárbara d’Oeste, saiu da cidade de São José da Tapera, no estado de Alagoas, na madrugada desta sexta-feira (27). Ele levará 60 horas em viagem de ônibus até Campinas, no domingo (29), para fazer a liberação do corpo da filha e, posteriormente, tentar o traslado até o nordeste.

Ele conseguiu o dinheiro da passagem da vinda, mas precisa de ajuda para pagar a volta. Quem puder ajudar pode fazer um PIX para o CPF 108.313.144-35 no nome de Adelma Ferreira Lima, esposa de Arnaldo. “Os amigos estão arrecadando um dinheiro para ver se completa o dinheiro da volta. Eles estão fazendo uma ‘vaquinha’. Estamos tentando também levar o corpo e precisava do apoio da prefeitura e assistência social”, disse o pai.

Ele contou, com exclusividade ao TodoDia, que não sabia quem era José Albert Menezes, de 24 anos, ex-namorado de Carolina, que confessou ter matado a jovem e jogado seu corpo dentro do bueiro, que fica na esquina Rua do Couro com a Rua do Chá, no Jardim Pérola.

“A Polícia disse que não vai resolver nada no domingo. Primeiramente, eu vou à delegacia ou à prefeitura, para que tenha uma ajuda quando chegar ao IML. Alguma resposta ou solução que seja boa pra eu levar o corpo pra minha cidade”, disse o pai. Carolina foi encontrada em estado avançado de decomposição na quarta-feira (25). Em menos de 24 horas, a Polícia Civil, através do 2º DP (Distrito Policial) de Santa Bárbara d’Oeste, ouviu os moradores vizinhos e conseguiu chegar ao assassino que morava a cerca de 30 metros do bueiro.

O delegado responsável pelo caso, Gabriel Fagundes de Toledo Neto, disse que a confirmação do corpo pelo IML (Instituto Médico Legal) de Americana deveria sair ainda na noite de quinta-feira (26).

Arnaldo registrou um boletim de ocorrência sobre o desaparecimento da filha no dia 24 de setembro e recebeu a última mensagem via WhatsApp da filha no dia 20 de setembro, quando ela já estava morta, desejando um bom dia e dizendo que estava com a tela do celular quebrada.

Foto: Reprodução
Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também