segunda-feira, 22 julho 2024

Família pede justiça por morte de autônomo atropelado por mulher embriagada em Sumaré

Protesto foi realizado em frente ao Fórum após responsável pelo acidente ser liberada; à polícia, ela confessou ter bebido cervejas  

A esposa de Leandro, Daniela Aparecida Mateus Alves, de 33 anos, liderou o protesto pedindo justiça ao caso do marido (Foto: Divulgação)

Familiares do autônomo Leandro André Alves, de 34 anos, que morreu atropelado por uma motorista embriagada, no domingo, 7 de novembro, em Sumaré, pedem justiça. Eles realizaram um protesto em frente ao Fórum de Sumaré nesta segunda-feira (15) depois da acusada, Josinete Carlos da Silva, de 34 anos, ter a liberdade provisória concedida pelo judiciário. Após o acidente, ela confessou ter bebido seis cervejas.

A esposa de Leandro, Daniela Aparecida Mateus Alves, de 33 anos, liderou o protesto pedindo justiça ao caso do marido.

“Quero justiça pelo meu marido porque foi assim que ela me deixou, sozinha com três crianças”, disse Daniela.

Com cartazes dizendo “justiça é o que queremos, justiça é o que não foi feito” e “álcool e direção mata”, cerca de 50 manifestantes se reuniram em frente ao Fórum e prometem novos protestos.

O advogado da família, Wander Luiz Costa Porto, classificou a decisão que liberou a acusada de “no mínimo desproporcional”.

Leandro morreu e outras duas pessoas ficaram feridas após a mulher, que dirigia uma Hyundai Tucson, perder o controle da direção, subir na calçada e atropelar as vítimas, no bairro Jardim Lucélia. Ela chegou a ser presa por embriaguez ao volante e confessou ter bebido seis cervejas em um bar.

A reportagem tentou contato com Josinete, mas ela não atendeu as ligações até a publicação da matéria.

Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também