quarta-feira, 24 julho 2024

Willian Souza destaca ‘estabilidade’ de Sumaré

Presidente da Câmara fez balanço e explicou relação com o Executivo

Presidente do Legislativo comentou responsabilidade de ‘trazer avanços’ (foto: TodoDia Imagem)

Em meio ao 154º aniversário de Sumaré, o TODODIA entrevistou o presidente da Câmara Municipal, vereador Willian Souza (PT). Ele comentou os avanços obtidos pela cidade, saindo de um cenário de “terra arrasada” para uma situação de estabilidade. Defende a continuidade de projetos administrativos e aponta como prioridade aumentar o acesso ao serviço público.

Souza faz parte da liderança dos movimentos de moradia de Sumaré. Em 2013, se engajou na luta por moradia das famílias da Ocupação Vila Soma e se tornou assessor parlamentar na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) no mesmo ano. O vereador também participou da fundação do Comitê de Moradia de Sumaré, em 2015.

TODODIA: Como o Legislativo tem colaborado para o crescimento e desenvolvimento de Sumaré?

WILLIAN SOUZA: A cidade de Sumaré tem cerca de 300 mil habitantes e temos um Legislativo composto de 21 parlamentares, que é diversificado. Geograficamente, Sumaré é uma cidade espalhada, cortada por duas grandes rodovias, muito próxima do Aeroporto de Viracopos e o Legislativo tem feito aprovações importantes, ajudando o prefeito Luiz Dalben a governar a cidade e fazer os avanços econômicos e sociais importantíssimos para a cidade. A Câmara de Sumaré é uma Câmara atuante, sempre próxima da população e sempre fazendo aquele anseio do povo ir para dentro do Parlamento. 

O seu início político foi com mobilização, desde o tempo estudantil e nos movimentos pela moradia. Como ficou, depois da eleição de 2016, o contato junto à população?

O mandato é uma consequência de toda mobilização popular. Quando você atua em um Grêmio Estudantil, quando você faz uma associação de moradores, quando você faz um movimento de moradia, é porque algo dentro do governo não está atendendo a demanda popular. Quando você organiza a população para isso e toma esse papel de liderança, você quer garantir os direitos sociais e os direitos básicos para a população. Tudo o que eu aprendi no Grêmio Estudantil, no movimento de moradia, eu levei para dentro da Câmara. A força do povo foi junto conosco para poder fazer as conquistas e, dentro do espaço do poder, usando os mecanismos garantidos na Constituição, nós temos feito isso com frequência. Sobretudo, nós não deixamos de nos aproximar dos movimentos populares. Mas em vez de uma manifestação, a gente faz uma audiência pública, ao invés da gente fazer trancamento de rua, a gente faz com que um projeto de lei faça essa garantia. A conquista que nós tínhamos com luta popular nas ruas foi trazida para dentro do espaço de poder, e esses mecanismos garantem o poder da população.

A população participa ativamente das sessões?

Temos tido uma participação popular muito importante, através da Ouvidoria da Câmara e também através das participações nas sessões. Além disso, 21 parlamentares fazem uma garantia muito eficiente na cidade. Parlamentares de todas as regiões, de todos os segmentos, de todos os setores, que representam aquilo para qual foram eleitos. Além disso, nós temos nosso mandato que leva o gabinete itinerante para as regiões, que mantém firme nas redes sociais para ouvir a população, participa de entrevistas como essa, que a população pode nos deixar um recado, entrar em contato. Eu digo que as melhores ideias eu não aprendi na universidade, mas foi com a dona Maria, com o empresário, com a pessoa que dá uma ideia para a gente, e a gente transforma em uma legislação importante. A população de Sumaré participa efetivamente do nosso mandato, o que me dá forças para trazer as garantias.

Sumaré mudou muito desde entre 2016. Você imaginava que ela sofreria essa transformação?

Em 2016, Sumaré estava uma tragédia, ela passava por um governo impopular, greve na UPA (Unidade de Pronto Atendimento), servidores sem pagamento, viaturas completamente sem combustível, sem nenhum tipo de esperança, reintegrações de posse estourando, o nome da cidade completamente sujo, não tendo como buscar recursos. Sumaré passou por um período, de 2012 a 2016, com um governo impopular, intransigente, incapaz e que traz tragédias e retrocessos. Quando a gente assume a gestão em 2017, com o prefeito Luiz Dalben, com o vice Henrique Stein e com o deputado Dirceu Dalben, e com uma Câmara atuante, participativa e efetivamente discutindo com a população, nós temos avanços e resultados positivos, como inaugurações de escolas, unidades de saúde, pagamento em dia, recursos do governo federal e estadual.

Quando você atuava no Grêmio Estudantil, imaginava que um dia seria eleito vereador e presidente da Câmara?

Sempre sonhei em lutar por um bairro melhor, sou filho de uma faxineira, do meu pai que é porteiro. Esse sonho sempre veio de criança, ter uma conquista melhor, de levar os anseios da população, da comunidade, daquilo que eu passava para dentro do espaço do poder. Ser filho da faxineira e do porteiro e chegar ao espaço de poder e ser presidente da Câmara é algo que eu não pensava, mas é a recompensa de muito trabalho e dedicação que a população e o nosso Deus nos garantem. 

Sumaré precisa avançar ainda em quais áreas?

Vejo que a cidade está em crescimento econômico, social. É a segunda maior da Região Metropolitana de Campinas (RMC) em habitante, a terceira em arrecadação, cortada por duas rodovias e uma grande margem para crescimento econômico nas beiras dessas rodovias. Só 20 minutinhos do Aeroporto de Viracopos, que é o maior aeroporto de cargas da América Latina, trazendo para a gente um potencial crescimento econômico de geração de emprego e de renda. Sumaré precisa avançar, obviamente, no seu planejamento, no diálogo com aqueles que querem gerar emprego, renda para a nossa cidade, mas esse governo tem dado conta disso, tem dialogado com todos os setores e trazido para a nossa cidade conquistas importantes, a ideia agora é só continuar o bom trabalho, fazer com que tudo dê certo e continue dando certo. Esse time está fazendo um show de trabalho, de gestão.  

Quais áreas de Sumaré recebem mais atenção dos parlamentares?

Eu percebo que ela é muito diversificada, porque existem setores de minorias que precisam ser atendidos e de maiorias, nós trabalhamos em todos os termos. Gostamos de discutir, as sessões da Câmara de Sumaré duram de cinco a seis horas. Na região de Campinas, ela é uma das cidades que mais têm durações de sessões, com grandes debates, potencializações de discussões e democraticamente respeitado por todos os setores, a gente avança muito em saúde, na qualidade da água, educação, transporte público, são temas principais abordados pela Câmara de Sumaré.

Existem muitos desafios no cargo e na posição em que o senhor está. Quais são os desafios que a presidência da Câmara entrega a você?

O desafio principal todas as vezes que saio de casa é ter responsabilidade com a coisa pública. Quando a gente assumiu a Câmara, todos os vereadores tinham o carro alugado, com 200 litros de gasolina para cada um por mês, um celular corporativo para cada vereador e para cada assessor, além de um monte de outras regalias. Conversando com esses outros vereadores, cortamos na carne todas essas questões, esses gastos que economizamos, e nos tornamos a Câmara Municipal mais barata da RMC e que mais fez economias. Não tem carro alugado, não tem celular corporativo, não tem benefício. Aqueles que estão ali para servir o povo tem que amar aquilo que fazem e receber como missão. Nós conseguimos economizar muito para devolver aos cofres públicos aquilo que não é utilizado pela Câmara, garantir – no momento da pandemia – respiradores que estavam em falta e que não tinham dinheiro para ser administrados. Temos cuidado do dinheiro público, fazendo a gestão da Câmara, garantindo aos parlamentares o seu poder institucional de serem parlamentares e dar condição para isso. Transformar a Câmara Municipal em um espaço do povo de fato e trazer transparência, acesso, transmitir as sessões, garantir que a população participe, são princípios importantíssimos. Saber entender os momentos e ajudar o prefeito a governar, garantir a sua governabilidade, dar opiniões construtivas, fazer críticas construtivas, mas fazer avanços, é esse o papel que nós temos administrado na cidade de Sumaré.

Essa legislatura se encerra em 2024, qual é aquele sonho que você gostaria de ver realizado antes do término do mandato?

Eu sonho, para a cidade que eu amo, que tenha mais igualdade de vida, que ela tenha mais justiça social e qualidade para a população, que as pessoas tenham acesso ao serviço público, que as pessoas tenham água na torneira, tenham transporte público chegando. Essa luta nós fazemos todos os dias. Se a gente conseguir garantir para a nossa cidade, para o nosso povo, igualdade social, é um grande sonho. Eu sei que não conseguimos completar tudo isso de uma vez, mas a cada dia, fazendo com que as garantias sejam feitas e que todos sejam tratados de maneira igual, independente da cor, da raça e da religião é um grande sonho que eu tenho.

Receba as notícias do Todo Dia no seu e-mail
Captcha obrigatório

Veja Também

Veja Também