Quinta, 21 Outubro 2021

Ministério da Saúde libera 2ª dose da Pfizer em quem tomou AstraZeneca; isso é seguro?

Ministério da Saúde libera 2ª dose da Pfizer em quem tomou AstraZeneca; isso é seguro?

Órgão tomou a decisão após a falta do fornecimento de novas doses do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford  

Ministério da Saúde enfrenta escassez de fornecimento da vacina da AstraZeneca - Divulgação/Fiocruz

Neste sábado (14), o Ministério da Saúde liberou os municípios a aplicarem a vacina da Pfizer como substituta para a segunda dose que deveria ser da AstraZeneca. Isso ocorre por causa da escassez do fornecimento de novas doses do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford.

Em uma nota técnica, o órgão afirma que a troca desses imunizantes é recomendada "em situações de exceção, onde não for possível administrar a segunda dose da vacina com uma vacina do mesmo fabricante, seja por contraindicações específicas ou por ausência daquele imunizante no país".

O ministério citou alguns estudos na nota técnica. Um deles foi realizado no Reino Unido, que comparou esquemas de vacinação com a aplicação das duas doses da mesma vacina e a mistura entre AstraZeneca e Pfizer com um intervalo de quatro semanas entre as doses.

Publicado no periódico Lancet em 9 de janeiro deste ano, o estudo contou com 830 adultos com mais de 50 anos, escolhidos aleatoriamente. Eles receberam ou a vacina Pfizer ou a da AstraZeneca, primeiro uma e depois a outra.

Os cientistas notaram que as pessoas que receberam doses mistas apresentaram maior probabilidade de desenvolver sintomas leves a moderados com a segunda dose da vacina, incluindo calafrios, fadiga, febre, dor de cabeça, dores nas articulações, mal-estar, dores musculares e no local da injeção, em comparação com aqueles que receberam vacinas da mesma empresa.

No entanto, essas reações foram de curta duração e não foram registrados outros problemas de segurança.

Medida é segura?

O estudo citado acima é um dos exemplos que mostra que, na prática, não há relatos de riscos graves à saúde. Recentemente, um estudo dinamarquês mostrou que combinar a vacina da AstraZeneca com uma segunda dose do imunizante da Pfizer-BioNTech (ou da Moderna) proporciona uma "boa proteção".

Segundo Marcello Bossois, imunologista responsável pelo projeto Brasil sem Alergia, a medida não é a ideal, mas é a opção disponível neste cenário de pandemia.

Na visão do médico, o ideal mesmo seria misturar vacinas com tecnologias iguais. No caso da AstraZeneca, seria a da Janssen, que é dose única —ambas utilizam um "vírus vivo", como um adenovírus (que causa o resfriado comum), que não tem capacidade de se replicar no organismo humano ou prejudicar a saúde.

"Colocando na balança os riscos e benefícios, corroborados com os estudos científicos já publicados, isso realmente nos dá segurança de fazer isso e acabar logo com essa pandemia", diz o imunologista ao ressaltar que medidas como essas são acompanhadas pelos órgãos ao longo dos meses (e anos).

Mas essa mistura de vacinas não é nova. Em 2020, Renato Kfouri, infectologista e diretor da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações), já tinha dito que iniciar a imunização com a vacina de um determinado laboratório e terminá-la com uma segunda dose de outro já é usada em alguns casos, como vacinas pneumocócicas, de meningite e coqueluche.

Combinar pode ser até melhor

Por mais seja utilizada para suprir a escassez das vacinas, a medida pode agregar um ponto importante na imunização das pessoas, conforme explica Alexandre Zavascki, chefe de infectologia do Hospital Moinhos de Vento (RS).

"Os estudos mostram que a resposta imunológica induzida pela vacinação heteróloga — que usa dois tipos de imunizantes — é maior do que se uma pessoa tomasse doses iguais da vacina — seja ela Pfizer ou AstraZeneca", diz.

Segundo o pediatra intensivista Juarez Cunha, presidente da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações), já havia a teoria de que a mistura de plataformas — como a vacina da Pfizer com da AstraZeneca — potencializaria a resposta imunológica.

"Afinal, é como se cada vacina agisse em uma frente. Uma pode estimular mais a imunidade celular. E outra pode promover uma maior produção de anticorpos. Aliás, os próprios anticorpos podem se ligar a proteínas diferentes do vírus, conforme o imunizante", afirma o médico.

Mas ainda é cedo para incluir a vacina da CoronaVac, por exemplo, pois ainda não há estudos feitos com o imunizante. Aliás, serão necessárias pesquisas para checar as várias possibilidades de combinações entre todas as vacinas existentes contra a covid-19.

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sexta, 22 Outubro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://tododia.com.br/