Terça, 09 Agosto 2022

'Motociata' de Bolsonaro em São Paulo custou quase meio milhão de reais

'Motociata' de Bolsonaro em São Paulo custou quase meio milhão de reais

Dado foi divulgado pela Secretaria-Geral da Presidência da República por meio da Lei de Acesso à Informação  

Presidente Jair Bolsonaro participou de “motociata” em São Paulo em junho - Alan Santos/PR

A "motociata" em apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) que aconteceu em 12 de junho em São Paulo custou quase meio milhão de reais aos cofres públicos federais, de acordo com a Secretaria-Geral da Presidência da República.

Segundo o órgão, "os gastos relativos à viagem em São Paulo do Senhor Presidente da República, no dia 12 de junho de 2021, que envolvem as despesas realizadas por intermédio da Secretaria Especial de Administração - SA/PR, com Cartão de Pagamento do Governo Federal - CPGF, transporte terrestre, passagens, telefonia e diárias, encontram-se disponíveis e foram da ordem de R$ 476.393,35".

A informação foi obtida pelo deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) por meio da Lei de Acesso à Informação.

No pedido, ele também questionou quem eram as pessoas na comitiva do presidente, bem como quantas diárias e passagens foram pagas pelo governo. A Secretaria não respondeu a essa parte do questionamento, alegando que essas informações estão sob sigilo.

Em junho, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo comunicou que o policiamento extra para a "motociata" de Bolsonaro custou R$ 1,2 milhão.

De acordo com a SSP, o ato foi monitorado por câmeras fixas, móveis e em fardas de policiais. O reforço no policiamento foi feito "para garantir a segurança da população, a fluidez no trânsito e o direito à livre manifestação", segundo a assessoria.

Motociata

O evento do dia 12 de junho reuniu 12 mil motos, segundo a SSP. O trajeto tinha 129 quilômetros e incluiu ruas e rodovias de São Paulo e da região de Jundiaí (SP).

Foram usados mais de 6.300 policiais das três forças de segurança estaduais, cinco aeronaves, dez drones e 600 viaturas, entre carros, motocicletas e bases comunitárias móveis.

O presidente Jair Bolsonaro, o filho dele, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), e o ministro da Infraestrutura Tarcísio de Freitas, foram multados na ocasião por desrespeitarem a lei que obriga o uso de máscaras de proteção facial em locais públicos durante a pandemia.

Bolsonaro pilotou moto com uma placa coberta, uma infração gravíssima prevista no Código de Trânsito que prevê apreensão e remoção do veículo. O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), comandado pelo Ministério da Infraestrura de Freitas, disse que as regras "são válidas apenas para vias abertas a circulação".

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://tododia.com.br/