PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Bolsonaro diz ter virado alvo de inimigos

Presidente tem mais um dia ao lado de Moro, que vai falar amanhã ao Senado sobre mensagens

Na semana em que o ministro Sergio Moro (Justiça) prestará esclarecimento ao Senado sobre o vazamento de suas conversas com o procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse que ele e seus ministros se tornaram “alvo compensador para inimigos”. 

PUBLICIDADE

“Nós passamos a ser alvos compensadores para inimigos. Então atirar em vossa excelência, para os inimigos, é motivo de satisfação. Mas quando se tem a verdade e Deus ao seu lado, ninguém nos atinge”, disse Bolsonaro. 

A declaração foi feita ontem em cerimônia no Palácio do Planalto, na qual o presidente sentou-se ao lado de Moro e dirigiu a ele uma série de elogios. “Eu acho que o Sergio Moro não é muito de jogar futebol não, né?”, brincou o presidente. Após um sinal negativo do ministro com a cabeça, o presidente disse que “O Sergio Moro está fazendo hoje mais um gol de bicicleta do meio do campo”. Ao falar em “alvo compensador”, Bolsonaro menciona termo usado com frequência pelo ministro general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), um de seus principais conselheiros. 

PUBLICIDADE

Nesta segunda, Bolsonaro assinou medida provisória para atender a demandas do Ministério da Justiça. O texto tem como objetivo facilitar a venda de bens apreendidos pelo combate ao tráfico de drogas. De acordo com a assessoria de imprensa do Planalto, a MP permitirá ainda a contratação temporária de engenheiros para viabilizar a construção de presídios. 

Ao receber elogios do presidente, que referiu-se ao ministro como “corajoso”, Moro foi aplaudido. Sua mulher, a advogada Rosângela Moro, também foi aclamada depois de o próprio Bolsonaro pegar uma cadeira na plateia para que ela se sentasse no palco em que estavam as autoridades. 

PUBLICIDADE

“O homem que é o símbolo que quer mudar o seu país. Que em cima daquilo que ele aprendeu, daquilo que ele se propôs, a servir a pátria como juiz, estava fazendo muito bem e nos orgulhava a todos”, afirmou o presidente. 

As declarações elogiosas ocorrem no momento em que a conduta de Moro como juiz à frente da Lava Jato em Curitiba vem sendo questionada após vazamento de mensagens em que ele aparece trocando colaborações com o procurador Deltan Dallagnol. 

As conversas foram reveladas pelo site The Intercept Brasil na semana passada. Moro se ofereceu para prestar esclarecimentos em uma comissão no Senado amanhã, numa tentativa de evitar que seja aberta uma CPI (comissão parlamentar de inquérito). 

Segundo a legislação, é papel do juiz se manter imparcial diante da acusação e da defesa. Juízes que estão de alguma forma comprometidos com uma das partes devem se considerar suspeitos e, portanto, impedidos de julgar a ação. Quando isso acontece, o caso é enviado para outro magistrado. 

 

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Pin It on Pinterest

Share This